Leia também:
X “PT quer meter a mão no bolso do trabalhador”, diz Paulo Skaf

Em carta a Guedes, BC justifica inflação fora da meta em 2021

Roberto Campos Neto explicou o resultado ao presidente do Conselho Monetário Nacional

Pleno.News - 11/01/2022 18h04 | atualizado em 12/01/2022 11h01

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto e Paulo Guedes, ministro da Economia Foto: Agência Estadão/Fabio Rodrigues Pozzebom

O forte aumento dos preços de commodities, a bandeira de energia elétrica de escassez hídrica e os desequilíbrios entre oferta e demanda de insumos, com gargalos globais, foram apontados pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, como os principais fatores que levaram a inflação a superar o limite superior da meta em 2021.

A justificativa foi dada em carta aberta ao presidente do Conselho Monetário Nacional (CMN), o ministro da Economia Paulo Guedes, devido ao descumprimento pelo BC de seu mandato principal.

Na carta, Campos Neto frisou a influência da pandemia sobre o desvio da inflação e fez questão de destacar que a aceleração inflacionária para níveis superiores à meta foi um fenômeno global no ano passado.

O IPCA, o índice oficial de inflação, terminou o ano passado em 10,06%, 4,81 pontos porcentuais acima da banda superior do objetivo a ser perseguido pelo BC (5,25%) – o maior desvio em quase 20 anos, já que, em 2002, o “estouro” foi de 7,03 pontos porcentuais. O centro da meta era de 3,75%. Na última vez que o teto da meta havia sido rompido, em 2015, a distância tinha sido de 4,17 pontos porcentuais, quando o IPCA registrou alta de 10,67%.

No documento, Campos Neto destacou que as pressões sobre os preços de commodities e nas cadeias produtivas globais refletem mudanças no padrão de consumo causadas pela pandemia de Covid-19, com aumento da demanda por bens, impulsionadas também por políticas expansionistas.

– Esses desenvolvimentos, que ocorreram em nível global, geraram excesso de demanda em relação à oferta de curto prazo de diversos bens, causando um desequilíbrio que, em diversos países e setores, foi exacerbado por falta de mão de obra, problemas logísticos e gargalos de produção. De fato, a aceleração significativa da inflação em 2021 para níveis superiores às metas foi um fenômeno global, atingindo a maioria dos países avançados e emergentes – apontou.

A carta aberta é uma exigência do sistema de metas, criado em 1999, quando a inflação fica fora do intervalo de tolerância, para explicar as razões do descumprimento e indicar providências para o retorno à meta, assim como o prazo para que isso ocorra.

A última carta enviada pelo BC para justificar o descumprimento do seu mandato foi relativa ao ano de 2017, mas, daquela vez, o presidente à época, Ilan Goldfajn, teve de explicar o porquê de a inflação ter ficado aquém da meta, em 2,95%. Além de 2015 e de 2002, o limite superior da meta também foi rompido em 2001 e em 2003.

A íntegra da carta pode ser lida aqui.

*AE

Leia também1 Frias sobre Ivete: 'Há projetos com os quais ela foi beneficiada'
2 'Imprensa usou encontro com Allan para desgastar Bolsonaro'
3 "Quem tem mais de 30 anos não pode se enganar com o PT"
4 Jovem autista desenha Jair e Michelle Bolsonaro e é atacada
5 "PT quer meter a mão no bolso do trabalhador", diz Paulo Skaf

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.