Leia também:
X IPVA em SP poderá ser parcelado em 5 vezes; veja calendário

Pilotos e comissários analisam proposta sobre fim de greve

Parte dos tripulantes tem cruzado os braços por duas horas, diariamente, sempre das 6h às 8h

Pleno.News - 22/12/2022 21h51 | atualizado em 23/12/2022 11h24

Quarto dia de greve: Pilotos e comissários analisam nova proposta Foto: Pixabay

A greve dos pilotos e comissários chegou ao quarto dia com paralisações que impactaram voos em alguns dos principais aeroportos do país, na manhã desta quinta-feira (22). O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA) vota até a meia-noite a nova proposta apresentada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A proposta prevê 100% INPC (5,97%) nos salários + 1% de aumento real, a incidir também nas diárias nacionais, piso salarial, seguro, multa por descumprimento da Convenção e vale alimentação. Para o teto de recebimento, reajuste de 100% do INPC (5,97%), menos 2,74%. O resultado da votação será anunciado a 0h30 de sexta-feira (23). Caso os aeronautas aceitem a proposta, a greve será encerrada. Caso contrário, a greve segue para o seu quinto dia.

Parte dos tripulantes cruzam os braços por duas horas, diariamente, desde segunda-feira, sempre das 6h às 8h, para reivindicar aumento real dos salários e melhores condições de descanso.

Por volta das 17h, os painéis de voos disponíveis nos sites dos aeroportos mostravam que havia voos atrasados em Brasília (1), Belo Horizonte (2), Guarulhos (1), Rio (Galeão, 2), Porto Alegre (2) e em Viracopos, três voos foram cancelados.

O Aeroporto de Confins, em Belo Horizonte, onde também estavam previstas paralisações dos tripulantes, não registrava atrasos ou cancelamentos.

Segundo o Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), a greve continua enquanto os tripulantes esperam uma proposta das companhias aéreas que atenda suas demandas. Por causa da greve, a orientação dos aeroportos é que os passageiros entrem em contato com as companhias áreas para confirmar o status dos voos.

A Infraero informou que foram registrados nove voos atrasados e sete voos cancelados em Congonhas durante a manhã, além de 14 voos atrasados e quatro voos cancelados em Santos Dumont. A estatal ressalta que nem todos têm relação com a paralisação dos aeronautas.

A GRU Airport, concessionária do Aeroporto Internacional de Guarulhos, afirmou que, devido à paralisação dos aeronautas nesta manhã, dois voos operaram com atraso e nenhum foi cancelado.

O Aeroporto de Brasília divulgou que, das 6h às 12h, foram registrados 28 voos atrasados e nenhum cancelado.

O BH Airport, que administra o Aeroporto de Confins, disse que, por volta das 10h30, as operações estavam normalizadas. Mais cedo, o aeroporto registrou quatro voos atrasados.

O Rio-Galeão informou que, por causa da greve, o aeroporto registrou dois voos atrasados de manhã e que a situação já estava normalizada por volta das 10h15.

O Aeroporto Viracopos afirmou que não houve impacto da greve nas operações nesta quinta-feira, havendo registro de um voo atrasado e dois cancelados somente por motivos operacionais durante a manhã.

A Fraport Brasil, que administra o aeroporto de Fortaleza, disse que foram registrados cinco voos atrasados devido à greve, sem cancelamentos. A administradora também é responsável pelo Aeroporto de Porto Alegre, mas não divulgou dados sobre o impacto da greve no aeroporto.

NEGOCIAÇÕES
No último fim de semana, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) apresentou uma proposta de renovação da Convenção Coletiva de Trabalho da aviação regular, que previa reposição de 100% da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), mais aumento real de 0,5%. O Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (SNEA) aceitou a proposta, mas o SNA, que pede aumento real de 5%, a rejeitou, optando pela greve.

O SNA aponta que o movimento ocorre “tendo em vista os altos preços das passagens aéreas que têm gerado crescentes lucros para as empresas”. Por determinação do TST, a greve pode atingir somente 10% dos funcionários das empresas. O sindicato afirma que a determinação está sendo cumprida e o movimento ocorre dentro da legalidade.

Em nota divulgada, na última terça-feira (20), o SNEA afirma que o preço das passagens aéreas foi fortemente impactado por causa da pandemia e que houve aumento dos custos para as companhias – as quais, segundo o sindicato patronal, acumulam prejuízo.

– O SNEA enfatiza que as empresas aéreas têm colaborado com a negociação e buscado soluções para garantir o pleno atendimento de todos os seus clientes, especialmente neste período de alta temporada – conclui a nota.

*AE

Leia também1 Aeroportos têm atrasos no 1° dia de greve de pilotos e comissários
2 TST: Greve só pode atingir 10% de funcionários das aéreas
3 Crenças enganosas 2: Não levo jeito para ser empreendedor
4 IPVA em SP poderá ser parcelado em 5 vezes; veja calendário
5 Gusttavo Lima abrirá mil vagas para trabalhar com ele; entenda

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.