Leia também:
X Suprema Corte proíbe NY de limitar nº de fiéis em cultos

Pastor iraniano condenado por ser cristão não morreu. Entenda!

Pastor foi absolvido da pena de morte, mas foi condenado posteriormente a 10 anos de prisão

Paulo Moura - 27/11/2020 08h15 | atualizado em 27/11/2020 08h28

Yousef Nadarkhani foi condenado por negar que os filhos aprendessem o alcorão Foto: Reprodução

Um vídeo compartilhado nas redes sociais nas últimas semanas mostra uma reportagem do Jornal Nacional, da TV Globo, sobre o pastor Yousef Nadarkhani. No conteúdo, o jornalístico noticia que o líder religioso teria sido condenado à morte por não aceitar seguir o islamismo e proibir que os filhos aprendessem o alcorão, livro sagrado do islã. A informação fez com que muitas pessoas acreditassem que Yousef teria morrido, porém, ao contrário do que a publicação fez parecer, ele está vivo.

Apesar do material ter sido espalhado nas redes como se fosse recente, a notícia já tem quase 10 anos e atualmente o caso recebeu desdobramentos bem diferentes do contexto da época. A reportagem mostrada pelo jornal é verdadeira e, em 2010, Nadarkhani realmente foi condenado à forca por apostasia, ou a renúncia do islamismo. Porém, em 2012, por conta de uma pressão internacional, ele foi absolvido e a sentença foi cancelada.

A perseguição a ele, porém, não se encerrou após esse caso e ele foi preso novamente em 2016 sob acusação de “agir contra a segurança nacional”. Inicialmente condenado a 10 anos de prisão, Nadarkhani teve a pena reduzida a seis anos em junho deste ano, segundo informações da ONG International Christian Concern.

ENVOLVIDO EM OUTRA FAKE NEWS
Essa não foi a única notícia distorcida em que o nome do pastor cristão Yousef Nadarkhani esteve envolvido ao longo dos últimos anos. Recentemente, uma publicação que mostrava imagens de um homem sorrindo ao ser levado para a forca, para receber a pena de morte, viralizou no Facebook.

Na postagem, os autores afirmavam que o homem das fotos era um pastor condenado na Síria por pregar o Evangelho e, inclusive, chegaram a usar na publicação uma foto de Nadarkhani no púlpito. Apesar de essa ser uma realidade vivenciada por cristãos em diversos países ao redor do mundo, a mensagem, porém, era falsa.

Mensagem foi compartilhada erroneamente atribuindo morte de pastor na forca Foto: Reprodução

O homem condenado não era o líder religioso e sequer tinha alguma relação com o cristianismo. Na verdade, quem aparecia sorrindo na forca era Majid Kavousifar, um iraniano que foi executado junto com seu primo em Teerã em 2007, por ter assassinado um juiz em 2005.

Leia também1 Homem sorrindo ao ir para a forca na Síria não é pastor
2 Bolsonaro diz que dorme armado até no Palácio da Alvorada
3 Powell quer que resultados na Geórgia sejam cancelados
4 Datafolha em SP: No 2ª turno, Covas tem 47% e Boulos tem 40%
5 Juiz permite que mães registrem bebê após 'inseminação caseira'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.