Leia também:
X Felipe Neto diz como pais devem “explicar” beijo gay aos filhos

Saiba quem é Lanna Holder, a mulher que batizou Thammy

Fundadora de igreja inclusiva em 2011, Holder lidera denominação contestada por conta da permissividade com relação a homossexuais

Pleno.News - 03/11/2021 14h29 | atualizado em 03/11/2021 15h59

Lanna Holder Foto: Reprodução/YouTube Igreja Cidade do Refúgio

O batismo de Thammy Miranda no último final de semana gerou uma grande repercussão na internet. A principal polêmica levantada foi a denominação escolhida, a Igreja Evangélica Cidade de Refúgio, alvo de muita contradição por adotar uma postura tida como “inclusiva” – o que significa, na prática, que ela é bastante permissiva com condutas como a homossexualidade, por exemplo.

Um dos nomes que mais figurou nas redes foi da responsável por realizar o batismo, Lanna Holder, fundadora da igreja junto com sua companheira, Rosania Rocha. Ex-pregadora dos Gideões Missionários da Última Hora e ex-missionária da Assembleia de Deus, Holder chegou a viajar pelo país pregando sobre sua história como “ex-lésbica” até conhecer Rosania, em 2002.

Nove anos após se conhecerem e já em um relacionamento homossexual, Lanna e Rosania decidiram fundar a igreja Cidade do Refúgio, em 2011. O objetivo da denominação, de acordo com o próprio site da igreja, seria pregar o evangelho “a um povo esquecido e afastado da graça por mãos humanas”.

Adepta da chamada “teologia inclusiva”, a igreja de Lana e Rosania diz ser “possível viver sob a vontade de Deus e ser homoafetivo”. Além disso, a denominação afirma que “sempre desejou alcançar aqueles que se sentiam excluídos, rejeitados em suas igrejas de origem em razão de sua orientação sexual ou por qualquer outro motivo que fosse”.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Andressa Brito de Miranda (@andressaferreiramiranda)

A abordagem, que hoje não se resume apenas à igreja de Lana e Rosania, é alvo de duras críticas por flexibilizar uma conduta que é expressamente reprovada na Bíblia, a da homossexualidade.

Em um artigo publicado pela Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure), assinado pelo reverendo Augustus Nicodemus, há uma série de pontos que denotam contra a corrente inclusiva.

Nicodemus deixa claro que “a condenação da prática homossexual transcende os limites culturais e cerimoniais, pois é repetida claramente no Novo Testamento. Ela faz parte da lei moral de Deus, válida em todas as épocas e para todas as culturas”.

– A morte de Cristo aboliu as leis cerimoniais, como a proibição de se comer determinados alimentos, mas não a lei moral, onde encontramos a vontade eterna do Criador para a sexualidade humana. Quanto ao apedrejamento, basta dizer que outros pecados punidos com a morte no Antigo Testamento continuam sendo tratados como pecado no Novo – destaca.

O líder diz ainda que “a falácia desse pensamento é que a mesma Bíblia que nos ensina que Deus é amor igualmente diz que Ele é santo e que Sua vontade quanto à sexualidade humana é que ela seja expressa dentro do casamento heterossexual, sendo proibidas as relações homossexuais”.

Leia também1 Bolsonaro articula encontro com Vladmir Putin em Moscou
2 Covid volta a crescer na Europa, nas Américas e na Rússia
3 Superinteressante tira do acervo edição que questionava vacinas
4 Fiat amarga chuva de "deslike" em lançamento de novo carro
5 Autor acusa direção da Globo de racismo: "Faz dela a preta burra"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.