Leia também:
X Bruna Karla faz festa para o filho e revela gravidez

Livro ensinou crianças a se matarem com maçã? Entenda

Polêmica reapareceu nas redes sociais após um ano da denúncia

Camille Dornelles - 17/09/2019 11h25 | atualizado em 17/09/2019 14h24

Livro levantou polêmica entre pais e responsáveis Foto: Divulgação

Um vídeo feito em 2018 pela goianiense Jordana voltou a circular nas redes sociais. No vídeo, uma moradora de Goiânia denuncia um livro infantil da escritora Ana Maria Machado que fala sobre um menino que queria “engasgar com uma maçã e dormir por muito tempo” para “viver no mundo da imaginação”, aconselhado por seu amigo imaginário.

No ano passado, o vídeo circulou em grupos de pais de crianças e incitou a denúncia de que estaria incentivando o suicídio por meio de sufocamento. Mas a acusação foi refutada pela autora, pela editora e também por críticos de literatura e pediatras especializados.

O livro O Menino Que Espiava Para Dentro é de 1983 e a editora Global chegou a se manifestar sobre o caso no ano passado.

– Esclarecemos que as referências à maçã e ao fuso são alusões às histórias da Branca de Neve ou da Bela Adormecida e constituem parte integrante do universo da história, sustentando o argumento de que imaginar pode ser muito bom, mas a realidade externa se impõe. Conversar com os outros (como a mãe) é fundamental, e a afetividade que nos faz felizes está ligada a seres vivos e reais – declara um trecho da nota.

A escritora afirmou que a obra não fala sobre suicídio, mas sobre a importância que se tem para crianças experimentarem a companhia no mundo real e não no mundo imaginário.

– Surgiu a história de um menino que gosta tanto de imaginar, que pensa em dormir muito para sonhar muito, e ser acordado pelo beijo de uma princesa como a Branca de Neve, que engasgou com uma maçã, dormiu e foi acordada pelo príncipe. E no fim, ele ganha um cachorro para lhe fazer companhia real – relata, em entrevista em setembro de 2018.

Na entrevista, ainda afirmou que o livro não incitaria o sufocamento assim como outras histórias fantasiosas não causaram a morte de crianças.

– Lembro do tempo em que se falava da preocupação com histórias de personagens voadores, como Peter Pan, e super-heróis como o Homem-Aranha, com medo de que crianças quisessem voar ou escalar paredes de prédios. Mas nunca soube de nenhum caso concreto em que isso tenha sido realmente considerado. Nunca soube que o filme da Pequena Sereia tenha induzido crianças a se jogar nas profundezas do mar para lá viver – retrucou.

Para a revista Crescer, a médica Saramira Bohadana explicou que é muito raro que uma criança saudável consiga realizar um engasgo voluntário, já que a musculatura da glote se contrai muito rápido e não permite que o alimento desça para a laringe.

NOTA DA GLOBAL EDITORA NA ÍNTEGRA
A Global Editora tem recebido algumas manifestações sobre a obra “O Menino que Espiava Pra Dentro”, de Ana Maria Machado. As mensagens acusam o livro de incitar o suicídio entre as crianças. Precisamente, trata-se do texto da página 23, em que o menino come uma maçã para ingressar no mundo dos sonhos – um processo poético para a criança entrar no mundo da imaginação.

Esclarecemos que as referências à maçã e ao fuso são alusões às histórias da Branca de Neve ou da Bela Adormecida e constituem parte integrante do universo da história, sustentando o argumento de que imaginar pode ser muito bom, mas a realidade externa se impõe. Conversar com os outros (como a mãe) é fundamental, e a e a afetividade que nos faz felizes está ligada a seres vivos e reais.

O livro foi publicado em 1983 e até o momento não havia despertado nada de negativo nessa área. Inclusive, trata-se de uma obra adotada em diversas escolas brasileiras. Ana Maria Machado é considerada pela crítica como uma das mais versáteis e completas escritoras brasileiras contemporâneas, com mais de 100 livros publicados no Brasil e em mais de 17 países, somando mais de 20 milhões de exemplares vendidos.

O seu carinho e cuidado com a educação de nossas crianças e a formação de leitores sempre foi sua prioridade. Portanto, em momento algum, escreveria algo que pudesse prejudicá-las.

Todo o nosso apoio e carinho à Ana Maria Machado!

Equipe Global Editora

TRECHO POLÊMICO
O trecho do livro que gerou a polêmica está na página 23. Leia abaixo.

“Como as compras só chegaram quando ele estava no colégio, ainda teve que esperar a volta, o jantar e a hora da sobremesa. Quase não aguentava mais. Ai também resolveu que o melhor era deixar para engasgar com a maçã na hora de deitar, quando estivesse sozinho. E que a família dele era tão desligada dessas coisas que era até capaz de alguém dar um tapa nas costas dele só para desengasgar, e aí estragava o plano todo.”

Leia também1 Felipe Neto se diz ameaçado e tira a mãe do Brasil
2 Autores abordam depressão e suicídio em livros
3 Pr. Lucas reforça alerta de música "infantil" demoníaca

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.