Leia também:
X ‘Nem os homossexuais querem filhos gays’, diz Marcio Poncio

Sites que promovem traição: A falência do amor nas redes

Aplicativos e portais para adúlteros tiveram crescimento de cadastros durante pandemia

Camille Dornelles - 20/07/2020 10h52

Adultério virtual prejudica vida de casal Foto: Freepik

Um site chamado Ashley Madison, criado em 2001, se intitula como “o primeiro espaço criado para que adultos possam ter um relacionamento discreto”. O eufemismo se refere a namoros extraconjugais e a rede social não esconde ser focada em adultérios.

Em nota, o portal revelou que possui mais de 65 milhões de contas e que elas cresceram rapidamente nos últimos meses, durante a quarentena. A empresária Jennifer Lobo atua no ramo de sites de relacionamento e analisou o aumento de usuários no período de confinamento.

– No caso do MeuPatrocínio, registramos um crescimento da ordem de 80% – declarou a CEO ao Pleno.News.

O portal dela é voltado para casais com diferenças de idade e situação financeira. Ela afirmou que segmentar os nichos é uma tendência. Por isso, surjam sites com a escancarada finalidade de beneficiar o adultério.

– A segmentação é um caminho natural, não tem mais volta. É uma demanda dos próprios usuários e as empresas resolveram investir em uma segmentação cada vez maior – aponta.

ALERTA AOS CASAMENTOS
O crescimento desses sites é um alerta para quem deseja manter um casamento saudável. A sexóloga cristã Aryanne Marques afirmou ao portal que o sexo extraconjugal é sempre prejudicial para o casamento.

– O adultério é considerado um pecado sujo, ele é considerado uma ação contra a lei de Deus. E como eu avalio no âmbito clínico? Ele traz registros emocionais muito pesados, feridas profundas que precisam passar por um processo de psicoterapia, a pessoa cristã tem que entender o poder que há na oração e na libertação. Há todo um processo. No âmbito clínico, a maioria dos casais que passaram por um adultério são, infelizmente, casamentos que passam por um processo muito doloroso de reaproximação. Isso prejudica o relacionamento, a admiração e a libido também – explica.

Pr. Lucas com a esposa Thaisa Foto: Pleno.News

Pensando no relacionamento cristão, no qual o adultério não é aceitável, o Pr. Lucas conversou com o Pleno.News sobre os problemas da traição. Ele mesmo teve que passar pelo processo de cura após ter traído sua esposa e ter tido um filho fora do casamento.

– A graça de Deus perdoa tudo, mas fica a consequência que carrego até hoje, por não poder ter o Gabriel (primeiro filho) por perto para dar a ele o mesmo que dou ao Samuel no nível de carinho, abraço e presença. Em Mateus 5:27 Jesus usa da lei escrita por Moisés, em seu mandamento, dizendo “não adulterarás”. Isso se trata do relacionamento sexual de alguém casado com outra pessoa que não seja seu cônjuge. A internet proporciona prazer sem crivos e limites. Você pode simular incesto, sexo a três, sexo com animais, sexo brutal, pedofilia etc. Ou seja, todo tipo de padrão pode ser construído virtualmente e, certamente ele terá uma reflexo na vida real – detalhou.

Leia também1 Colunista: Davi Alcolumbre se envolveu em caso de adultério
2 Em vídeo, pastor admite adultério, mas nega assédio
3 Marido recebe indenização do amante de sua mulher
4 Um casal cristão pode se separar por incompatibilidade de gênios?
5 O relacionamento ideal

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.