Leia também:
X Filho de Vanusa lamenta: ‘Não sei se terei outro Dia das Mães’

Família: Como se manter unida diante do Covid 19

Coordenador do Oikos, projeto para famílias, fala sobre a repercussão da pandemia sobre os lares de muitos brasileiros

Virgínia Martin - 12/05/2020 16h37 | atualizado em 12/05/2020 16h42

Gilson Bifano, com filhos e netos, acredita que podem existir bons legados após a pandemia

O mês de maio sempre foi comemorado como Mês da Família. Junte-se a isso as celebrações de casamentos, de noivados e de muitos eventos sobre família. Quem entende bem do assunto e trabalha nesta área há mais de 20 anos é Gilson Bifano, fundador e coordenador do Oikos, um projeto que atua no apoio às famílias.

Gilson é pastor e, juntamente com sua esposa, a psicóloga Elizabete Bifano, desenvolve este ministério por meio de palestras, cursos, seminários e conferências. Nesta entrevista concedida ao Pleno.News, o coordenador desta iniciativa responde sobre os desafios da família brasileira diante das pressões provenientes da pandemia

Com sua experiência de mais de 20 anos trabalhando com famílias, o que tem percebido como nova configuração de relacionamentos familiares durante esta pandemia e quarentena?

É um tempo de ajustes, com certeza. As pessoas estão trabalhando em casa. Isso pode ser bom, mas se não houver disciplina, essa modalidade de trabalho poderá prejudicar, em muito, a vida em família. Já ouvi alguns relatos de pessoas que afirmaram estar trabalhando mais no estilo “home office”.

Os pais precisam estar mais atentos aos conteúdos que os filhos acessam na internet, bem como acompanhar mais de perto os seus estudos.

Desafios precisam ser discutidos em família para que o nível de estresse seja o mais baixo possível

Muitas famílias estão sem as diaristas. Pode ser um momento adequado para todos se unirem para o bem comum, como fazer a faxina da casa, sem sobrecarregar uma pessoa. Isso pode ser algo bom para a família.

Um problema que precisa ser administrado é a distância dos demais familiares. Isso, na minha opinião, é o mais difícil de ser administrado, especialmente quando há idosos envolvidos.

Essas mudanças e novas dinâmicas nas famílias precisam ser conversadas, administradas e atenuadas de alguma forma. Até porque, só estaremos totalmente à vontade mesmo quando surgir a vacina. E isso vai levar ainda algum tempo. Esses desafios precisam ser discutidos em família para que o nível de estresse seja o mais baixo possível.

O que não pode ser desperdiçado e precisa ser aproveitado e o que deve ser evitado nestes tempos de quarentena entre familiares?

Eu tenho visto que essa pandemia pode deixar um legado positivo para as famílias. Se essa pandemia deixar, por exemplo, o resgate do culto familiar, será uma grande bênção. Outra coisa é a participação dos membros da família nos afazeres domésticos. As brincadeiras de pais e filhos.

Eu estou certo, e a Bíblia nos garante isso, de que todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus (Rm 8.28). A pandemia deixará coisas boas também. Poderemos contar que foi um tempo que nos reunimos como famílias para participar dos cultos da nossa igreja em nossa casa, que celebramos a ceia em família, que oramos mais, que brincamos mais com os filhos, que fizemos comidas diferentes.

Se essa pandemia deixar, por exemplo, o resgate do culto familiar, será uma grande bênção

Mas, precisamos estar preparados para o pós-pandemia. Principalmente nos aspectos financeiros. As famílias precisam estar mais fortalecidas, unidas para enfrentarem o que vem nessa área. Creio que também será um momento para rever nossas prioridades como pessoas, casais e famílias. O relacional estará acima das conquistas dos bens materiais. Penso eu.

Devemos evitar algumas coisas nesse tempo de pandemia, por exemplo, a pornografia, o descontrole emocional, que pode surgir devido ao estresse, o isolamento nos celulares. Mencionei a pornografia porque dados mostram que tem havido um crescimento de acesso a conteúdos pornográficos nesses tempos. E isso é terrível, porque a pornografia escraviza e poderá levar casamentos à ruína.

Gilson e Elizabete Bifano com os netos: família como maior investimento

Como o Ministério Oikos tem avançado em sua missão com famílias e com as restrições de isolamento social?

Nosso trabalho está muito focado na prevenção. Eu creio que muitas famílias nesse Brasil estão passando bem esse período porque justamente receberam nossas ministrações através de palestras, seminários, artigos, estudos bíblicos das nossas sete revistas de estudos bíblicos.

Nesse ano, por exemplo, o conteúdo que oferecemos às igrejas para a celebração do Mês da Família foi sobre o tema: FAMÍLIAS FORTES, IGREJA FORTE. Somente famílias e casamentos fortes irão sobreviver após esse período. Mas nesse tempo, temos procurado ser relevantes e presentes sim. Já realizamos a Jornada na Web “casamento em tempos de coronavírus”, uma semana de ministração para mais de 5 mil pessoas.

Se há uma virtude que precisamos exercitar nos dias de hoje é a PACIÊNCIA. O temporal vai passar

Oferecemos sugestões de cultos familiares para as famílias, além de meditações diárias e sugestões de atividades para as famílias. Tivemos encontros de oração e encontros terapêuticos através do Zoom. Além de outras teleconferências. Mas, tenho visto muitas e muitas igrejas ministrando às famílias com o conteúdo do Ministério OIKOS e, de uma certa forma, estamos lá, com certeza. Temos também participado de muitas Lives onde falamos de família. Nas redes sociais, temos trabalhado temas semanais na área do fortalecimento da família.

Há muitos casais que estão tendo que dormir distantes na mesma casa porque um dos dois está em situação de risco em trabalho. Qual o melhor conselho para este desafio?

Eu creio que esse tempo é para exercermos a paciência e a fé. Os Evangelhos narram uma história muito interessante. Jesus convidou os seus discípulos para passarem para o outro lado do lago. Na passagem, houve uma tempestade, mas Jesus estava com eles. Mas foi um momento difícil para todos.

Podemos fazer um paralelo com os tempos que estamos vivendo hoje. Ter Jesus no barco não nos isenta de tribulações, mas nos dá a certeza de que ele está ali para nos ajudar. Por isso, eu estou certo de que se há uma virtude que precisamos exercitar nos dias de hoje é a PACIÊNCIA. O temporal vai passar.

A Bíblia diz que devemos ser cooperadores de Deus

Enquanto o temporal não passar, vamos fazer nossa parte, nos cuidando, nos protegendo. Quando um dos cônjuges ou filhos ou algum parente está em isolamento, vamos ter paciência e fazer nossa parte. A Bíblia diz que devemos ser cooperadores de Deus. Deus faz a parte dele, mas nós devemos fazer a nossa, seguindo as recomendações das autoridades sanitárias.

Leia também1 Perigo na família
2 Mariana Valadão fala sobre família infectada pela Covid
3 "O Senhor é o meu pastor", diz idosa curada de Covid

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.