Leia também:
X Bolsonaro defende spray de Israel contra Covid: “Milagroso”

SP: Governo deve anunciar fase vermelha por 15 dias no estado

Nesta etapa, apenas serviços essenciais têm autorização para abrir

Thamirys Andrade - 03/03/2021 11h07 | atualizado em 03/03/2021 11h50

Governador de São Paulo, João Doria Foto: Reprodução

O governo de São Paulo deve anunciar ainda nesta quarta-feira (3) fase vermelha para todo o estado, a mais restritiva das medidas prevista no Plano de Flexibilização. Nesta etapa, fica proibido o funcionamento dos serviços considerados não essenciais. As escolas devem manter-se abertas, com limite de 35% de ocupação.

Nesta terça-feira (2), o governo se reuniu com membros do Centro de Contingência contra o Coronavírus. A decisão final sairá após uma nova reunião, marcada para esta quarta.

Em São Paulo, são considerados serviços essenciais farmácias, supermercados e padarias, açougues, postos de combustíveis, lavanderias, meios de transportes, oficinas de veículos, atividades religiosas, hotéis, pousadas, bancos, pet shops e serviços de entrega.

Atualmente, seis regiões do estado se encontram na fase vermelha: Araraquara, Bauru, Barretos, Presidente Prudente, Ribeirão Preto e Marília. A Grande São Paulo está em fase laranja, quando o comércio é limitado a oito horas diárias de atividade, com encerramento até às 20h e ocupação de 40% da capacidade das lojas.

Esta semana, o governador João Doria disse que São Paulo se encontra em seu pior momento da pandemia, com recorde de óbitos nesta terça-feira (2).

– Entramos na pior semana da Covid-19 da história da pandemia desde 26 de fevereiro. Isso não apenas em São Paulo, os demais estados também. Eu tenho falado com governadores de outros estados. Há uma preocupação generalizada – afirmou Doria.

O anúncio das novas classificações será feito no início desta tarde em coletiva de imprensa do governo estadual.

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.