Leia também:
X Em apelação, advogado se dirige a magistrado como ‘escrotíssimo senhor juiz’

Setor elétrico faz pente-fino em térmicas contra o racionamento

Principais reservatórios do país estão com volume escasso de água

Pleno.News - 28/05/2021 16h52 | atualizado em 28/05/2021 17h27

Com reservatórios em crise, setor elétrico faz pente-fino em térmicas Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Com o volume escasso de água nos principais reservatórios do país, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) decidiu fazer uma varredura em cada usina térmica instalada e em operação para saber exatamente com o que poderá contar, a fim de afastar riscos de apagão e racionamento de energia.

Na segunda-feira (24), a diretoria do ONS, o órgão responsável por fazer a gestão diária do abastecimento elétrico nacional, disparou um documento dirigido a 40 empresas do setor elétrico que possuem usinas térmicas movidas a gás, a óleo diesel, a biomassa e a carvão. Na lista estão empresas como Petrobras, Engie e Neoenergia, além das estatais do Grupo Eletrobras.

No documento, ao qual a reportagem teve acesso, o ONS pede que, até a próxima segunda-feira (31), cada empresa informe detalhadamente quais são as usinas térmicas que cada empresa possui, com detalhamento semanal ou diário de seus cronogramas de manutenção e de operação previstos até dezembro de 2021.

“Considerando o final do período chuvoso nas principais bacias integrantes do SIN (Sistema Interligado Nacional) e os baixos níveis de armazenamento alcançados nos principais reservatórios de regularização, torna-se imprescindível a maximização da disponibilidade de geração térmica para garantir o atendimento eletroenergético”, afirma a diretoria do ONS, no documento.

No último período chuvoso, iniciado no fim de novembro e encerrado em abril, o volume das águas pode ter caído bastante em muitos centros urbanos, mas não foi isso que se viu nas principais cabeceiras de rios do país. Se há ocorrência de água abundante nessas áreas, todo o sistema hidrelétrico passa a ser irrigado. Porém, quando as chuvas nessas localidades não ocorrem, as usinas rio abaixo ficam prejudicadas.

No documento enviado às empresas, o ONS alerta que, considerando o potencial de geração de energia hidrelétrica acumulado entre setembro de 2020 e maio deste ano, esta “configurou-se como a pior condição hidrológica” de todo o histórico de vazões, em 91 anos de medição (1931/2021).

Segurança energética
A necessidade de o país recorrer às suas usinas térmicas para garantir o abastecimento elétrico deve-se à possibilidade de garantir um volume específico de geração, diferente do que acontece com as demais fontes do país.

Usinas hidrelétricas, eólicas e solares dependem fundamentalmente de condições naturais para gerar energia. Se não há água, vento e sol, não tem geração.

Acrescenta-se a isso o fato de que a energia deve ser consumida no momento em que é gerada, ou seja, não pode ser armazenada para ser usada em outro momento. Com as térmicas, porém, é possível gerenciar o volume e o tempo de produção. O preço dessa energia, no entanto, é bem mais caro do que as demais, além de elas serem mais poluentes.

O Brasil conta hoje com 3.180 usinas térmicas em operação. Elas respondem por 25% de toda a potência instalada de geração de energia do país. Diariamente, o ONS define o que deve ser acionado e aquilo que não será utilizado. Atualmente, a ordem é colocar as térmicas a plena carga, e é isso o que tem ocorrido.

Na quinta-feira (27), por exemplo, 21% de toda a energia consumida no Brasil foi gerada por usinas térmicas, cujo funcionamento básico se baseia no aquecimento de água e produção de vapor, um processo que impulsiona a turbina e gera energia.

Nesta sexta-feira (28), conforme anteciparam o jornal O Estado de S. Paulo e o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o governo publicou um alerta de emergência hídrica para o período de junho a setembro em cinco estados brasileiros: Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo e Paraná.

Todas as unidades da federação atingidas estão na bacia do rio Paraná, polo de produção agropecuária e de grandes hidrelétricas Na região, a situação é classificada como “severa” e a previsão é de pouco volume de chuvas para o período. É o primeiro alerta dessa natureza em 111 anos de serviços meteorológicos do país.

*Estadão

Leia também1 Doria interrompe discurso de Zambelli para xingar Bolsonaro
2 Bolsonaro aumenta pena para crimes virtuais em até 4 anos
3 Eduardo Bolsonaro 'desmascara' hipocrisia de deputada do PSOL
4 Bolsonaro oficializa penas mais duras para crimes pela internet
5 Jair Bolsonaro aciona STF contra lockdown em três estados

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.