Leia também:
X Tio que estuprou menina de 10 anos ‘pega’ 44 anos de prisão

Servidores do IBGE ameaçam greve se Censo for mantido

Categoria afirma que há risco de saúde para os agentes durante a coleta de dados

Pleno.News - 04/03/2021 21h45 | atualizado em 05/03/2021 10h12

Servidores do IBGE ameaçam greve caso o Censo Demográfico vá às ruas este ano Foto: Reprodução

Servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ameaçam entregar cargos de coordenação, caso o Censo Demográfico vá a campo este ano, em plena pandemia do novo coronavírus.

Em meio aos recordes sucessivos diários no número de mortes por Covid-19 e às dificuldades enfrentadas pelo governo na imunização da população, os funcionários do IBGE defendem que o levantamento seja transferido para 2022.

Em plenária nacional, realizada remotamente pelo sindicato de funcionários do IBGE, o ASSIBGE, no último fim de semana, os servidores votaram por aderir ao pleito de adiamento do Censo Demográfico para o ano que vem.

– É importante ressaltar que não é contra o Censo, mas pela realização do Censo em condições que garantam a sua qualidade, porque a função número 1 do Censo é contar e caracterizar a população. E se a população não quiser receber o IBGE, o prejuízo pode ser muito grande – lembrou Luanda Botelho, coordenadora da ASSIBGE – núcleo Chile.

O posicionamento partiu de coordenadores de área do IBGE no Rio Grande do Sul, estado que vive atualmente sob a bandeira preta, ou seja, restrição máxima à circulação da população para conter a disseminação do coronavírus e a superlotação dos hospitais.

O pedido de adiamento do Censo Demográfico para 2022 foi apresentado à direção da unidade estadual do IBGE em videoconferência no dia 19 de fevereiro, com a presença também do diretor adjunto de Pesquisas do órgão, Cimar Azeredo.

Segundo os coordenadores, caso o instituto insista em manter o censo este ano, a maioria está disposta entregar seus cargos de coordenação, o que teria sido ratificado em videoconferência em 1º de março e em carta enviada no dia seguinte ao chefe da unidade estadual do Rio Grande do Sul, José Renato Braga de Almeida.

– Visitar todos os domicílios do país, num país do tamanho do Brasil, em meio a uma pandemia, é agir contra a lógica da humanidade, é pôr em risco a vida das pessoas e priorizar algo que pode ser realizado em outro momento, com maior segurança, com maior qualidade, atingindo o real objetivo que tem um Censo Demográfico, que é [o] de mostrar a realidade do país em sua totalidade – escreveram os coordenadores.

*Estadão

Leia também1 IBGE abre inscrições de processo seletivo para o Censo de 2021
2 Marco Aurélio manda Câmara votar abertura de ação contra Bolsonaro
3 SP: Prefeitos do interior avaliam desobedecer lockdown de Doria
4 Pesquisa: Brasileiro é povo que mais sente solidão na pandemia
5 Senado aprova texto-base da PEC do auxílio em 2º turno

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.