Leia também:
X Promotores pedem a Aras investigação contra Alcolumbre

Secretários de Helder Barbalho são presos por desvios na Saúde

Operação acontece também em São Paulo e mais três estados

Gabriela Doria - 29/09/2020 09h50 | atualizado em 29/09/2020 09h52

PF vai ao gabinete do governador Helder Barbalho Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal prendeu dois secretários e um assessor de gabinete do governador do Pará, Helder Barbalho, em operação que apura desvios de recursos da Saúde no estado. Barbalho foi alvo de buscas a apreensões e também é investigado, mas não foi preso. Os mandados de prisão foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

A ação da PF foi realizada em conjunto com a Controladoria-Geral da União e a Polícia Civil de São Paulo.

A PF pediu para que Barbalho fosse o principal alvo da operação, batizada de SOS, mas a Justiça negou.

Além do Pará, os mandados foram cumpridos em São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraná.

Só em São Paulo foram executados, ao todo, 260 mandados de busca e apreensão e e 57 de prisão temporária, que atingem autoridades da Secretaria Estadual de Saúde, da Câmara Municipal de São Paulo e em cidades do interior. No estado, a operação se chama Raio X.

As investigações no Pará apuram, segundo a PF, contratos da Saúde que somam mais de R$ 1,2 bilhão em acordos firmados com organizações sociais entre os meses de agosto de 2019 e maio de 2020.

Os crimes investigados são de fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Leia também1 Desvios na Saúde: PF faz buscas na sede do governo do Pará
2 Alcolumbre ganha apoio até do PT para se reeleger no Senado
3 Promotores pedem a Aras investigação contra Alcolumbre
4 Por Bolsonaro, Roberto Jefferson destitui diretório do PTB em SP
5 TJ arquiva investigação contra juíza que citou raça em sentença

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.