Leia também:
X Criança leva choque e morre ao colocar celular para carregar

Secretário de Doria: ‘Pessoas vão morrer de fome’ com lockdown

Titular da pasta de Saúde disse ser contra confinamento nacional

Pleno.News - 02/03/2021 18h30 | atualizado em 02/03/2021 18h33

Secretário de Saúde de SP, Jean Gorinchteyn, e o governador João Doria Foto: Divulgação/Governo do estado de SP

O secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, se mostrou totalmente contra um lockdown nacional com o fechamento do comércio e restrições a circulação de pessoas. Em entrevista à rádio CBN, nesta terça-feira (2), Gorinchteyn avaliou que o confinamento teria consequências catastróficas no Brasil.

– Não temos capacidade no nosso país de fazer lockdown, as pessoas vão morrer de fome, vamos ter um problema civil, social – declarou.

O secretário, no entanto, se mostrou favorável à suspensão das aulas no estado diante do aumento de casos de Covid-19.

– Isso é um tema que estamos discutindo. Se estamos entendendo que as pessoas estão ameaçadas frente ao vírus, frente a um colapso, temos de avaliar a circulação das pessoas em situações que poderiam ser evitadas e uma delas é a escola – afirmou.

Gorinchteyn disse ainda que o problema não é a abertura das escolas, mas o risco do deslocamento até as instituições.

– É a circulação das pessoas no entorno, professores, alunos, pais, o transporte público, a exposição que acabamos colocando as pessoas – explicou.

No estado de São Paulo, as escolas foram consideradas serviços essenciais, como supermercados e farmácias. Isso significa que podem ficar abertas mesmo nas fases mais restritivas da quarentena. O posicionamento de Gorinchteyn é contrário ao que tem defendido o secretário estadual da Educação, Rossieli Soares. Para Rossieli, as escolas devem ser as últimas a fechar e as primeiras a abrir, uma vez que o longo tempo de fechamento vem causando prejuízos às crianças e adolescentes.

Nesta terça-feira, 2, o Conselho Nacional de Secretários de Educação criticou por meio de nota o que chamou de “defesa da suspensão das atividades presenciais de todos os níveis da educação do país”. A manifestação do Consed ocorre um dia após o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) pedir a suspensão do funcionamento das escolas, entre outras medidas, para conter o avanço da pandemia no Brasil.

*Estadão

Leia também1 Ministro do STJ vai se aposentar, e Bolsonaro indicará sucessor
2 "Queremos trabalhar": A luta do setor de bares no lockdown de SP
3 Prefeito de Florianópolis pede desculpas por viagem a Cancún
4 SP entregará 21 milhões de CoronaVacs à Saúde em março
5 Doria assina decreto que define igreja como atividade essencial

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.