Leia também:
X General Chagas diz: ‘O Judiciário precisa ser reformulado’

Renan inclui presidente do CFM em lista de investigados da CPI

Relator da CPI acusa Mauro Luiz de Britto Ribeiro de "apoio ao negacionismo"

Gabriela Doria - 06/10/2021 18h10 | atualizado em 07/10/2021 11h19

Presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, vira alvo da CPI Foto: Agência Senado/Geraldo Magela

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou que o colegiado vai incluir no seu rol de investigados o presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), Mauro Luiz de Britto Ribeiro. Com o novo nome, de acordo com Calheiros, o número de pessoas investigadas pela CPI sobe para 37.

Renan justificou a inclusão de Ribeiro na lista de investigados devido ao seu “apoio ao negacionismo”, o suporte dado a remédios comprovadamente ineficazes contra a Covid-19 e sua “omissão diante de fatos criminosos”.

Na manhã desta quarta (6), o relator já havia afirmado que a comissão também colocaria na sua lista de investigados os empresários Marcos Tolentino da Silva, Danilo Trento e Otávio Fakhoury, além do jornalista Allan Lopes dos Santos.

De acordo com o relator, estar na lista de investigados não significa necessariamente que a pessoa será indiciada, mas é um “forte indício” para o processo.

– Estar na relação como investigado é um bom indício para que essas pessoas sejam responsabilizadas – disse o relator em entrevista coletiva antes do início dos trabalhos de hoje da comissão.

*AE

Leia também1 General Chagas diz: 'O Judiciário precisa ser reformulado'
2 CPI: Lista de investigados inclui Allan dos Santos e 3 empresários
3 Ivan Lins nega que fará show no encerramento da CPI da Covid
4 Randolfe quer medidas contra juíza que chamou CPI de circo
5 Veja o vídeo: Renan e Randolfe já trocaram acusações no Senado

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.