Professora rebate acusações de que teria diploma falso

Uma série de inconsistências foram reveladas no currículo de Joana D’Arc Félix

Pleno.News - 15/05/2019 08h35

Joana D’Arc Félix Foto: Reprodução/Senai

Joana D’Arc Félix de Sousa, de 55 anos, rebateu as acusações de que teria um diploma falso da Universidade de Harvard, localizada nos Estados Unidos e uma das mais prestigiadas do mundo.

– Cuidado com as inverdades publicadas! Infelizmente o preconceito contra negros (as) ainda é muito real. Será que um negro (a) não pode estudar? Logo tentam derrubar – escreveu a professora no Facebook nesta terça-feira (14).

Mais tarde ela publicou uma nota, também na rede social, dizendo que toda a situação será esclarecida.

– Olá pessoal. Desculpa pelos transtornos. Peço desculpas por tudo o que está ocorrendo. As publicações estão sendo analisadas por um advogado e prometo respostas em breve. Obrigada, Joana D’Arc Félix de Sousa – concluiu.

ENTENDA O CASO
Nesta semana, o jornal Estadão publicou uma matéria informando que a instituição norte-americana negava a existência do diploma. Além disso, as assinaturas não batem. Uma delas é a do professor emérito de Química em Harvard, Richard Hadley Holm. Ele afirmou em nota:

– O certificado é falso. Essa não é a minha assinatura, eu não era o chefe de departamento naquela época. Eu nunca ouvi falar da professora Sousa.

Na plataforma Lattes, que reúne o currículo de todos os pesquisadores do Brasil, Joana fala sobre o pós-doutorado em Harvard. Ela diz ainda que o curso só foi possível através de uma bolsa de estudos oferecida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes), órgão do Ministério da Educação (MEC). O Capes, por sua vez, diz que não consta em seus registros o benefício para a professora.

Joana também afirmou diversas vezes que teria entrado na faculdade aos 14 anos. Hoje ela admite que a informação não é verdadeira.

Atualmente, ela dá aulas de Química na Escola Técnica Professor Carmelino Corrêa Júnior em Franca, onde trabalha desde 1999.

Joana ganhará uma cinebiografia produzida pela Globo Filmes. O longa vai narrar a história de uma jovem negra e pobre, nascida no interior de São Paulo, que conseguiu chegar a uma das mais renomadas universidades do mundo. A princípio, Taís Araujo faria o papel, mas desistiu por ser considerada clara demais para a protagonista.

A Globo Filmes ainda não se pronunciou sobre o caso.

LEIA TAMBÉM+ Professora que inspirou filme usou diploma falso de Harvard
+ Maia fala em rever teto de gastos após a Previdência
+ Pastor é condenado a 44 anos por estupro de adolescentes


Clique para receber notícias
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo