Leia também:
X Não há “poder moderador”, diz Cármen sobre Forças Armadas

Zema explica por que se negou a assinar nota de apoio ao STF

Mandatários de 14 estados manifestaram apoio ao Supremo

Monique Mello - 17/08/2021 14h39 | atualizado em 17/08/2021 15h55

Romeu Zema diz não se interessar por “intrigas palacianas” Foto: Reprodução/Instagram Romeu Zema

O governador de Minas Gerais Romeu Zema (Novo) explicou, na noite de segunda-feira (16), o motivo que o levou a não assinar a nota de apoio aos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), juntamente com outros 14 mandatários estaduais.

Em entrevista à TV Band Minas, Zema disse que não cabe a ele avaliar o Executivo e o Judiciário Federal.

– Vale lembrar que eu fui eleito para governar Minas, e não para ficar avaliando presidentes e o Supremo Federal. Estou à frente do estado para trazer emprego para o mineiro. Quem está nos assistindo está preocupado se vai conseguir emprego para ele, para o filho e o irmão, e não o que o STF e o presidente estão fazendo lá de tramas nos palácios do poder – argumentou.

O político mineiro disse ainda que suas maiores preocupações são a vacina contra a Covid-19 e comida para a população, não se interessando por “intrigas palacianas”.

– E, além disso, eu estou preocupado também em trazer vacina. As intrigas palacianas não me interessam. Eu não entro em intrigas palacianas. O mineiro quer comida no prato e vacina no braço, e o meu governo tem trabalhado nesse sentido. Infelizmente, no mundo politico, eu tenho visto que tem muitas intrigas. Eu não participo disso. Eu tô (sic) fora – completou.

 

Leia também1 Governadores de 14 estados assinam nota em apoio ao STF
2 Lula chega ao Nordeste e não marca eventos nas ruas
3 Paulo Guedes: “Estados nunca receberam tanto dinheiro”
4 'Terão novidades, dentro das quatro linhas da Constituição'
5 Não há “poder moderador”, diz Cármen sobre Forças Armadas

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.