Leia também:
X Witzel culpa Bolsonaro por ação da PF realizada contra ele

“Se eu tivesse informações a operação chamaria estrume”

Deputada ironizou ataques contra ela em resposta publicada no Twitter

Paulo Moura - 26/05/2020 10h56 | atualizado em 26/05/2020 13h58

Deputada Carla Zambelli Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

A deputada federal Carla Zambelli rebateu, na manhã desta terça-feira (26), as acusações de que ela teria informações privilegiadas sobre a Operação Placebo, que ocorreu também nesta terça e teve como um dos alvos o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Em resposta à deputada Talíria Petrone (PSOL-RJ), que insinuou que Zambelli sabia antecipadamente da operação, a parlamentar do PSL ironizou as acusações e disse que se realmente tivesse informações privilegiadas chamaria a ação de hoje de “estrume”, em referência ao termo que o presidente Jair Bolsonaro usou para se referir a Witzel na reunião ministerial cujo vídeo foi divulgado na última sexta-feira (22).

– Se eu tivesse informações privilegiadas e relações promíscuas com a PF, a operação de hoje seria chamada de “Estrume” e não “Placebo”. Está aí sua explicação, defensora de maconheiro – escreveu Zambelli.

Zambelli dá resposta para deputada do PSOL Foto: Reprodução

As acusações contra a aliada de Bolsonaro foram iniciadas por conta de uma entrevista concedida por ela, para a rádio Gaúcha, em que a parlamentar disse, de forma genérica, que operações da PF seriam feitas contra governadores “nos próximos meses”.

– A gente já teve operações da Polícia Federal que estavam na agulha para sair, mas não saíam. E a gente deve ter nos próximos meses o que a gente vai chamar talvez de Covidão, ou de, não sei qual é o nome que eles vão dar, mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal – declarou ela na entrevista.

Leia também1 Witzel culpa Bolsonaro por ação da PF realizada contra ele
2 Bolsonaro parabeniza PF após operação que mirou Witzel
3 Witzel e esposa são alvos de operação que apura desvios
4 PF cumpre mandado na residência oficial de Witzel
5 Pres. da Caixa diz que "matava ou morria" se filha fosse presa

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.