Leia também:
X TCU investiga contratação de Moro por “conflito de interesses”

Weintraub se revolta com caso de estupro e pede pena de morte

Ex-ministro comentou o caso em suas redes e pediu mudanças na Constituição para adequar penalidade

Paulo Moura - 27/02/2021 12h49 | atualizado em 27/02/2021 12h50

Abraham Weintraub, ex-ministro da Educação Foto: PR/Carolina Antunes

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, manifestou nas redes sociais sua revolta contra um caso de estupro coletivo praticado contra uma menina de apenas 11 anos, na cidade de Belo Horizonte (MG). Ao comentar o assunto, Weintraub lembrou que um adulto foi responsável por filmar o ato criminoso e pediu pena de morte para ele.

– Um adulto organizou, filmou e divulgou o vídeo. O monstro deveria ser julgado, condenado e executado. “Mas a Constituição não permite, é cláusula pétrea…” mudem essa Constituição que não representa os valores dos brasileiros. Queremos pena de morte – escreveu o ex-ministro em postagem feita na sexta-feira (26).

Ex-ministro Abraham Weintraub pediu por pena de morte Foto: Reprodução

O caso citado pelo ministro aconteceu em outubro do ano passado, quando a menina foi estuprada por quatro garotos, dois de 13 anos e dois de 12, na Zona Norte de Belo Horizonte. Os pais da criança procuraram a polícia após receberem o vídeo do crime por Whatsapp, segundo a Polícia Militar.

A Polícia Civil de Minas Gerais informou que o vídeo foi feito por um homem de 23 anos, preso em flagrante e investigado por filmar, compartilhar e armazenar cena de sexo envolvendo criança ou adolescente, crimes previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Leia também1 Médicos fazem carta aberta pela volta às aulas presenciais
2 TCU investiga contratação de Moro por "conflito de interesses"
3 USP lançará teste PCR específico para variante brasileira da Covid
4 Onyx é exonerado da Secretaria-Geral, mas retorna na terça

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.