CORONAVÍRUS
- Tudo o que você precisa saber
-->
Leia também:
X PF faz operação contra grupo que vazou dados de Bolsonaro

Wassef assume que abrigou Queiroz: “Ele seria executado”

Advogado afirmou que tinha informações de que tentariam incriminar família de Bolsonaro pelo crime

Pleno.News - 26/06/2020 09h51 | atualizado em 26/06/2020 09h53

Advogado Frederick Wassef Foto: Reprodução/CNN Brasil

O advogado Frederick Wassef disse, em entrevista para a revista Veja, que abrigou Fabrício Queiroz em suas propriedades porque tinha informações de que havia um plano para matá-lo e responsabilizar a família Bolsonaro pelo possível crime.

Segundo a versão de Wassef, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) não tinham conhecimento de que Queiroz estava na chácara em Atibaia na qual foi preso na última semana.

– Passei a ter informações de que Fabrício Queiroz seria assassinado. O que estou falando aqui é absolutamente real. Eu tinha a minha mais absoluta convicção de que ele seria executado no Rio de Janeiro. Além de terem chegado a mim essas informações, eu tive certeza absoluta de que quem estivesse por trás desse homicídio, dessa execução, iria colocar isso na conta da família Bolsonaro. Havia um plano traçado para assassinar Fabrício Queiroz e dizer que foi a família Bolsonaro que o matou em uma suposta queima de arquivo para evitar uma delação – disse.

Wassef disse que formou a convicção por meio de “informações absolutamente procedentes”, mas não explicou quais seriam. Ele alegou que agiu por conta própria para evitar que “fizessem um inferno” na vida do presidente.

– Eu tive informações absolutamente procedentes e formei a minha convicção de que iriam matar Queiroz e iriam colocar a culpa no presidente Bolsonaro para fazer um inferno da vida dele. Na verdade, seria uma fraude. Algo parecido com o que tentaram fazer no caso Marielle, com aquela história do porteiro que mentiu – disse, negando que Jair ou Flávio Bolsonaro tivessem conhecimento do paradeiro de Queiroz.

Ele também afirmou que o presidente Jair Bolsonaro não teve conhecimento do fato de que ele estava abrigando Queiroz.

– Não. Eu omiti isso [que estava abrigando Queiroz] do presidente. Eu omiti do Flávio por motivos que me reservo ao direito de não dizer agora. O presidente da República jamais teve conhecimento da autorização para que o Fabrício, caso quisesse, pudesse estar nessas propriedades – disse.

Dono do escritório em Atibaia (SP) onde Fabrício Queiroz foi preso, Wassef disse ao jornal Folha de S.Paulo na semana passada ter sido vítima de uma armação para incriminar o presidente Jair Bolsonaro, de quem é amigo.

– Não sou o Anjo. Nunca telefonei para Queiroz, nunca troquei mensagem com Queiroz nem com ninguém de sua família. Isso é uma armação para incriminar o presidente – declarou.

Queiroz, policial militar aposentado, ex-assessor de Flávio, foi preso em Atibaia, no interior de São Paulo. O mandado de prisão foi expedido pela Justiça do Rio de Janeiro, ele não era considerado foragido. Queiroz estava em um imóvel de Wassef.

*Folhapress

Leia também1 Frederick Wassef não é mais advogado de Flávio Bolsonaro
2 Fabrício Queiroz tem prisão domiciliar negada pela Justiça
3 Filha de Olavo de Carvalho levou polícia a Queiroz
4 Fabrício Queiroz é transferido de SP para o Rio de Janeiro
5 Queiroz é preso no interior de SP durante operação policial

Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo