Leia também:
X Vacina chinesa contra a Covid-19 será obrigatória em SP, diz Doria

João Doria reclama dos custos de busca por chefão do PCC

"Vontade de mandar a conta para o ministro", disse o governador de SP

Pleno.News - 16/10/2020 16h36 | atualizado em 16/10/2020 17h02

Governador de SP, João Doria Foto: Governo do Estado de São Paulo

O governador João Doria (PSDB) disse, nesta sexta-feira (16), durante entrevista coletiva para tratar de ações de recuperação econômica após a pandemia, que tinha “vontade de mandar a conta para o ministro” Marco Aurélio Mello. Ele deu declarações ao comentar os custos que as polícias do Estado estão tendo no processo de tentativa de recaptura do traficante André Oliveira Macedo, o André do Rap, um dos líderes da facção Primeiro Comando da Capital (PCC) foragido após ter sido beneficiado por uma decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que libertou o então detento.

Segundo Doria, o Estado de São Paulo está gastando cerca de R$ 2 milhões em pessoal e material para recapturar André do Rap.

Marco Aurélio mandou soltar André do Rap ao seguir um entendimento de que prisões preventivas que não são renovadas a cada 90 dias devem ser extintas, segundo uma mudança legal determinada pelo Pacote Anticrime, aprovado no ano passado. Doria já havia criticado a decisão do ministro anteriormente, dizendo que “lugar de bandido é na cadeia”.

Na quarta-feira, quando começou o julgamento do caso no STF, Doria classificou como “lamentável” a decisão do ministro Marco Aurélio Mello. Ele afirmou que “a imagem do criminoso saindo de um presídio de segurança máxima pela porta da frente é um deboche à opinião publica e à polícia de São Paulo e disse ser “lamentável que um líder do PCC tenha sido libertado por um magistrado experiente.”

Em julgamento, o Supremo decidiu por 9 x 1 que André do Rap deve voltar à prisão.

Na terça-feira (13), a Polícia Civil de São Paulo incluiu André do Rap em sua lista de mais procurados. O traficante também teve o nome incluído na lista de procurados do Ministério da Justiça e Segurança Pública e a Polícia Federal também pediu a inclusão dele na difusão vermelha da Interpol.

No final de semana, a Secretaria de Segurança de São Paulo informou que colocou policiais dos departamentos Estadual de Investigações Criminais (DEIC), de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP) e de Operações Policiais Especiais (DOPE) em busca de André do Rap.

O traficante teve a prisão temporária decretada em abril de 2014, junto com outros 10 suspeitos, após a deflagração das Operações Hulk e Overseas pela Polícia Federal. Ele foi preso em 15 de setembro de 2019, após passar cinco anos foragido. À época, ele foi encontrado pela polícia em uma mansão em Angra dos Reis, na Costa Verde fluminense.

*Estadão

Leia também1 Polícia procura 21 criminosos libertados por Marco Aurélio
2 Bolsonaro sobre chefão do PCC: "Jamais botaria em liberdade"
3 Fux fala em corrigir falhas na distribuição de processos no STF
4 Marco Aurélio provoca Luiz Fux: "Quer me ensinar a votar"
5 Por 9 a 1, STF mantém prisão de André do Rap, chefão do PCC

WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.