Leia também:
X MG confirma, em Juiz de Fora, 1º caso da variante indiana

Vice-líder da Maioria diz que CPI está indo ‘por caminho perigoso’

Parlamentar do Podemos afirmou que colegiado não pode ter "corrupto de estimação"

Paulo Moura - 28/05/2021 14h43 | atualizado em 28/05/2021 16h00

Deputado federal José Nelto Foto: Reprodução

O vice-líder da Maioria e do Podemos na Câmara dos Deputados, deputado federal José Nelto (GO), questionou, nesta sexta-feira (28), a condução dos trabalhos da CPI da Covid-19, instalada no Senado Federal. De acordo com o parlamentar, os atritos entre os integrantes e a seletividade quanto à convocação de governadores, por parte da cúpula da CPI, são inadmissíveis.

– A CPI da Covid-19 está enveredando por um caminho perigoso, minimizando os escândalos de corrupção nos estados e restringindo as investigações. Além de investigar omissões na compra de vacinas, se as ações sobre os escândalos de corrupção não avançarem, essa CPI será desmoralizada. A CPI não pode ter corrupto de estimação. Precisamos seguir o rastro do dinheiro – afirmou.

Nelto ainda destacou que a CPI precisa tomar cuidado em seus procedimentos para “não se tornar um circo”. De acordo com o parlamentar, o colegiado não pode escolher quem investigar, e todos os envolvidos, sem exceção, precisam ser investigados.

– Sempre defendi CPIs no Congresso. Mas tem que ter cuidado para a CPI da Covid-19 não se tornar um circo. Se teve corrupção, não tem que escolher governador nem prefeito. É obrigação do Senado investigar sem tomar partido político – completou.

Leia também1 Bashar Al-Assad é reeleito na Síria, em eleições contestadas
2 Jogadores do São Paulo e do Ajax são flagrados em balada ilegal
3 Estado de emergência no Japão é ampliado para conter crise
4 Maia ataca ACM Neto após DEM marcar reunião sobre expulsão
5 STF valida lei do Rio que proíbe teste de cosméticos em animais

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.