Leia também:
X Guga Chacra surpreende web ao ‘defender’ Jair Bolsonaro

Vice-dirigente do PT diz que sigla pode dividir palanque com MBL

Deputado José Guimarães admite a possibilidade "desde que seja combinado o jogo"

Thamirys Andrade - 20/09/2021 12h47 | atualizado em 20/09/2021 12h55

Deputado federal José Guimarães Foto: Câmara dos Deputados/Ananda Borges

O vice-presidente nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), José Guimarães, admitiu a possibilidade de que a legenda divida palanque com o Movimento Brasil Livre (MBL) nos protestos contra o presidente Jair Bolsonaro. Para o parlamentar, não haveria problemas “desde que seja combinado o jogo”.

– O que não pode é nós irmos para uma manifestação para ficar agredindo. Agora, se tem compromisso com a democracia, com o impeachment de Bolsonaro, podem, sim, ser convidados – declarou ao Poder 360.

O convite a outras forças políticas não valeria apenas para participar do ato, mas também para o envolvimento na organização dos protestos.

– É fazer tudo em parceria para ninguém se sentir excluído – acrescentou Guimarães.

O MBL foi um dos principais movimentos engajados no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e apoiou Bolsonaro nas eleições de 2018, antes de declarar oposição à atual gestão e pregar uma terceira via.

As manifestações pelo impeachment de Jair Bolsonaro, convocadas pelo MBL no último dia 12 de setembro, tiveram baixa adesão em relação aos atos pró-governo do dia 7. Para Guimarães, o ato foi “mal preparado”.

– A linha política organizada dificultou a participação de vários parceiros. No começo, era “nem Lula, nem Bolsonaro”, depois mudaram. Foi mal combinada [a ação], por isso o PT não participou – declarou.

O parlamentar afirma ainda que a presença de pré-candidatos à Presidência precisa ser cuidadosamente pensada, pois o ato não deve ter apelo “eleitoral”, mas sim de “luta pela democracia”.

– O Lula tem reiteradamente dito para nós, e essa é a opinião do PT, que não quer que a luta contra o Bolsonaro se transforme em uma luta eleitoral. Por isso que tem que ser muito bem pensado se os candidatos devem ou não ir nesses momentos, porque termina a polarização aparecendo – assinalou.

Leia também1 Bolsonaro e comitiva comem pizza em calçada de Nova Iorque
2 João Doria se reúne com Gilmar Mendes e Rodrigo Pacheco
3 Deputada diz que "só mulheres têm útero" e sofre ameaças
4 Tabata diz que tomará "medidas cabíveis" contra José de Abreu
5 Bolsonaro minimiza: 'Datafolha não é parâmetro para nada'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.