Leia também:
X Ministro Alexandre de Moraes tem dados vazados no WhatsApp

Van Hattem critica decisão de Moraes contra empresários

Deputado federal afirmou que o Judiciário está "desmoralizado"

Paulo Moura - 18/11/2022 08h16 | atualizado em 18/11/2022 11h08

Deputado Marcel van Hattem
Deputado Marcel van Hattem Foto: Câmara dos Deputados/Cleia Viana

O deputado federal Marcel van Hattem (Novo-RS) criticou, nesta quinta-feira (17), o Supremo Tribunal Federal (STF) após o ministro Alexandre de Moraes ordenar o bloqueio das contas bancárias de empresas e pessoas que estariam supostamente patrocinando atos contra o resultado das eleições. No Twitter, Van Hattem falou em um Judiciário “desmoralizado”.

– Judiciário brasileiro, em especial STF, desmoralizado por soltar bandidos, agora decide em decisão monocrática de Alexandre de Moraes bloquear ilegal e inconstitucionalmente contas de quem protesta contra… bandidos! Tem inversão de valor maior? – escreveu.

Marcel van Hattem criticou o Judiciário Foto: Reprodução/Twitter

Em outro tuíte, o parlamentar afirmou que “as raias do absurdo estão sendo superadas” e ressaltou que é o Congresso quem representa a soberania popular. Van Hattem ainda pediu ajuda para criar “uma onda de oposição” contra o que chamou de “desmandos”.

– As raias do absurdo estão sendo superadas. Lembre-se do que tenho dito há tempo: é no CONGRESSO que reside a verdadeira soberania popular por meio dos representantes eleitos. Ajude-me a criar uma onda de oposição a esses desmandos dentro da Casa do Povo! – completou.

Leia também1 Ministro Alexandre de Moraes tem dados vazados no WhatsApp
2 Investigados na Lava Jato estão na equipe de Agricultura de Lula
3 Lula conversa com indígenas e fala em "supremacia branca"
4 Braga Netto diz que Bolsonaro está recuperado da infecção
5 NY: Jantar de ministros foi pago por banco de ex-investigado

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.