Leia também:
X AL: Juízes dobram o próprio vale-alimentação: ‘Ganhamos pouco’

TSE nega apuração “secreta” e diz que o “sistema é auditável”

Tema é alvo de muita polêmica e questionado com frequência pelo presidente Jair Bolsonaro

Paulo Moura - 23/07/2021 07h34 | atualizado em 23/07/2021 09h53

Urna eletrônica Foto: Reprodução

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) emitiu uma nota, na noite de quinta-feira (22), em resposta às declarações feitas pelo presidente Jair Bolsonaro, que na manhã de quinta disse que não poderia “admitir” que os votos das eleições fossem apurados por “meia dúzia de pessoas com uma chave criptográfica, em sala secreta lá, no Tribunal Superior Eleitoral”.

Em sua defesa, a Corte eleitoral alegou que “o sistema eletrônico é auditável antes, durante e depois da votação” e que “a apuração dos resultados é feita automaticamente pela urna eletrônica, logo após o encerramento da votação”.

– Nesse momento, a urna imprime, em cinco vias, o Boletim de Urna (BU), que contém a quantidade de votos registrados na urna para cada candidato e partido, além dos votos nulos e em branco. Uma das vias impressas é afixada no local de votação, visível a todos, de modo que o resultado da urna se torna público e definitivo – disse o TSE.

A Corte informou ainda que o processo de apuração dos votos é realizado pela urna eletrônica antes da transmissão de resultados, que ocorre por uma rede de transmissão de dados criptografados. Ao chegarem ao tribunal, segundo a nota, a integridade e autenticidade dos dados são verificados, e inicia-se a totalização dos resultados por meio de um supercomputador.

– O resultado final divulgado pelo TSE sempre correspondeu à soma dos votos de cada um dos boletins de urna impressos em cada seção eleitoral do país – defendeu o tribunal.

Nos últimos meses, o presidente Jair Bolsonaro tem se mostrado bastante crítico ao atual sistema de registro e apuração dos votos, que, segundo ele, abre brechas para fraudes. O líder afirma que a eleição presidencial de 2014, vencida por Dilma Rousseff (PT), foi na verdade uma vitória do tucano Aécio Neves (PSDB). Bolsonaro se comprometeu a provar suas alegações na próxima semana.

Leia também1 Estudo: 2 doses de AstraZeneca têm proteção de 93,6% contra mortes
2 AL: Juízes dobram o próprio vale-alimentação: 'Ganhamos pouco'
3 Em Goiás, criança fica presa dentro de máquina de brinquedo
4 'As coisas mudam', diz Bolsonaro sobre antigas críticas de Ciro
5 Joice mostra fraturas e diz ter sido vítima de atentado

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.