Leia também:
X Dinheiro “esquecido”: Lula tem quantia a receber, Bolsonaro não

TSE aprova mudanças propostas por Moraes no regimento

Justificativa do ministro é "reforçar a colegialidade" do tribunal

Pleno.News - 01/03/2023 11h16 | atualizado em 01/03/2023 11h47

Alexandre de Moraes Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, nesta terça-feira (28), duas mudanças no regimento interno que tendem a reforçar as decisões colegiadas na Corte. As resoluções foram propostas pelo presidente do TSE, Alexandre de Moraes.

A primeira é que a devolução dos pedidos de vista não pode ultrapassar o prazo de 30 dias. A segunda é que medidas cautelares urgentes decretadas individualmente devem ser enviadas imediatamente para referendo no plenário.

A justificativa de Moraes é de “reforçar a colegialidade” do tribunal. As alterações foram aprovadas por unanimidade em sessão administrativa e começaram a valer a partir desta terça.

PEDIDOS DE VISTA
Quando há um pedido de vista, o julgamento é suspenso. Até aqui, a votação só poderia ser retomada após a liberação de quem solicitou mais tempo para analisar o caso. Na prática, o instrumento abria brecha para os ministros interferirem, individualmente, na agenda do tribunal.

Com a alteração, se a data-limite não for cumprida, o processo será incluído automaticamente na pauta. O prazo de 30 dias pode ser prorrogado, uma única vez, pelo mesmo período. A contagem ficará suspensa nos períodos de recesso ou férias coletivas.

– É importante que cada ministro tenha mais tempo para estudar casos complexos, mas também é importante que o julgamento possa terminar para que nós possamos prestar a atividade jurisdicional – defendeu Moraes.

Em dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou uma medida semelhante, mas com prazo maior, de 90 dias, para ministros devolverem os pedidos de vista.

MEDIDAS CAUTELARES
O plenário do TSE também decidiu que o relator deve submeter ao plenário decisões liminares tomadas individualmente para proteger “direito suscetível de grave dano, de incerta reparação ou para garantir a eficácia de posterior decisão da causa”.

Com a mudança, as medidas cautelares urgentes decretadas monocraticamente devem ser enviadas imediatamente para referendo do plenário. O relator pode pedir uma sessão virtual extraordinária, com antecedência mínima de 24 horas.

No caso extremo de prisão, a ordem precisará ser reavaliada pelo relator ou pelo plenário a cada 90 dias.

– É importante que se coloque a referendo. O relator garante o direito e aí o tribunal, de forma colegiada, irá decidir – explicou o presidente do TSE.

*AE

Leia também1 Chefe do Exército apoia decisão de Moraes de julgar militares
2 Moraes manda soltar 102 presos pelos de atos de 8 de janeiro
3 Confira a lista dos deputados e senadores que assinaram a CPMI
4 Mais 90 dias: Moraes prorroga inquérito das milícias digitais
5 A caçada de Dino e Moraes por Allan dos Santos, nos EUA

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Canal
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.