Leia também:
X Governo gastou R$ 850 mil com hospedagem em 1 dia em Madri

Toffoli confessa que condenou Genoino ciente da inocência dele

Voto foi uma manobra para burlar norma da Corte e poder interferir na dosimetria da pena

Marcos Melo - 26/05/2023 15h56 | atualizado em 26/05/2023 17h07

Dias Toffoli Foto: Carlos Moura/SCO/STF

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), confessou nesta quinta-feira (25) – durante julgamento que condenou o ex-presidente Fernando Collor -, que votou pela condenação do petista José Genoino no processo do Mensalão, mesmo sem acreditar que ele tivesse culpa.

O magistrado disse que seu voto foi estratégico para que pudesse participar da dosimetria da pena de Genoino, já que, naquela ação penal, apenas os ministros que votaram pela condenação do réu, poderiam participar da etapa processual que define a pena aplicada ao sentenciado.

A confissão foi proferida após a presidente da Corte, ministra Rosa Weber, trazer a questão sobre o critério aplicado para selecionar os ministros que participariam da dosimetria da pena de um condenado.

– Eu votei pela condenação do então ex-presidente do PT José Genoino para poder participar da dosimetria, sim – admitiu Toffoli, nesta quinta-feira.

O magistrado argumentou que Genoino assinou um contrato de financiamento junto com o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, mas advertiu que “todos que conhecemos José Genoino sabemos que ele não tinha ideia do que estava se passando”.

Toffoli sustentou que, apesar do ex-presidente do PT ter assinado o documento, ele o fez por inocência e ingenuidade.

Leia também1 Ministro de Lula critica Moraes por decisão sobre aplicativo
2 Nome de Zanin já é dado como certo entre ministros do STF
3 STF adia julgamento sobre descriminalizar porte de drogas
4 Juíza que criticou Moraes recebe aposentadoria compulsória
5 Cármen Lúcia e Nunes Marques são empossados pelo TSE

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.