Leia também:
X Ministro da Educação explica áudio e diz que segue no cargo

Telegram: Maioria das reações a bloqueio foi negativa, diz FGV

Monitoramento analisou hashtags e as 589,6 mil menções ao tema no Twitter

Thamirys Andrade - 22/03/2022 16h56 | atualizado em 22/03/2022 17h21

Bloqueio ao Telegram foi revogado após plataforma cumprir determinações judiciais pendentes Foto: Pixabay

A maior parte dos usuários nas redes sociais que se pronunciou sobre o bloqueio ao aplicativo Telegram no Brasil demonstrou reações de descontentamento. O levantamento foi feito pela rede de Monitoramento da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da FGV (Dapp/FGV).

Segundo a organização, foram registradas 589,6 mil menções ao assunto no Twitter entre os dias 18 e 20 de março. Para melhor análise dos posicionamentos, elas foram separados em cinco categorias: azul, laranja, rosa, verde e azul-claro.

Composto por mais de 67% dos usuários, o grupo azul enxergou na medida decretada pelo ministro Alexandre de Moraes – e revogada por ele posteriormente – uma forma de censura e um ataque à liberdade de expressão. Nas críticas, era comum encontrar comparações do Brasil a países considerados não democráticos, como Cuba, China e Coreia do Norte.

Já no grupo laranja, que somou 17,64% dos perfis, estão os usuários que viram razoabilidade no bloqueio, em razão do descumprimento de ordens judiciais por parte da plataforma. Nessa esfera de tuítes, era defendido que o aplicativo estava sendo usado para a disseminação de fake news e prática de crimes.

A categoria rosa, com 10,55% de usuários, concentrou-se em lamentar os transtornos que o bloqueio à ferramenta poderia trazer. Foram mencionados inconvenientes, especialmente relacionados ao acesso a conteúdos culturais como livros, filmes e séries.

No grupo verde estão 9,73% dos usuários, compostos por conservadores que viram na decisão de Moraes uma intenção deliberada de prejudicar o presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores durante o ano eleitoral. Nessa parcela de tuítes, também havia comparações do Brasil a países tidos como antidemocráticos, como Azerbaijão, Paquistão e Rússia, que já baniram o aplicativo.

Por fim, a categoria azul-claro diz respeito aos 3,75% dos perfis que basearam-se em publicações virais do deputado federal Marcel Van Hatten (Novo). Nesse caso, os usuários apontavam caráter ditatorial na decisão e compartilhavam vídeos com denúncias contra ela.

Ainda de acordo com a FGV, das 5 hashtags mais mencionadas na rede social, quatro eram contra o magistrado ou o Supremo Tribunal Federal (STF). São elas: #impeachmentalexandredemoraes, com 12,9 mil tuítes; #stfvergonhanacional, com 33,5 mil menções; e #moraestirano, com 4,9 mil posts.

Maior parte das reações a bloqueio do Telegram foi de reprovação, diz FGV
Mapa de interações do debate sobre o Telegram no Twitter Foto: Divulgação / FGV Dapp

Leia também1 Fachin cobra que Telegram entre em programa contra fake news
2 Conheça o advogado escolhido para representar o Telegram
3 Telegram tem 10 dias para explicar combate às fake news
4 Alexandre de Moraes revoga bloqueio ao Telegram
5 Telegram atende Moraes e exclui mensagem de Jair Bolsonaro

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.