Leia também:
X Não podemos conviver com o fantasma de 2022, diz Valdemar

TCU cobra esclarecimentos da PRF sobre combate a bloqueios

Órgão vê possível "omissão" por parte da PRF no combate às interdições nas rodovias

Pleno.News - 23/11/2022 17h06 | atualizado em 23/11/2022 17h49

Bloqueios nas rodovias brasileiras após as eleições Foto: EFE/Sebastião Moreira

O ministro Benjamin Zymler, do Tribunal de Contas da União, determinou que a Polícia Rodoviária Federal apresente, em 15 dias, uma série de esclarecimentos e documentos relacionados à atuação da corporação frente aos bloqueios de estradas registrados em todo o país após o resultado das urnas. A decisão segue uma proposta de diligência feita pela Secretaria de Controle Externo da Defesa Nacional e da Segurança Pública da Corte.

O despacho foi assinado após o Ministério Público que atua junto ao Tribunal de Contas levar à Corte uma representação versando sobre suposta “omissão da PRF no combate aos bloqueios nas vias federais realizados por caminhoneiros descontentes com o resultado das eleições presidenciais de 2022, em ação de possível afronta à democracia”.

A Procuradoria pediu que o TCU avalie as medidas adotadas pela PRF diante de indícios de “omissão de atuação, descumprimento de ordem judicial e incentivo e fomento aos embaraços ocasionados em possíveis atitudes antidemocráticas de agentes do órgão”.

Ao analisar a representação, a área técnica da Corte de Contas apontou a “necessidade de aprofundamento da avaliação da atuação da PRF e dos seus agentes”.

Segundo a Secretaria de Controle Externo da Defesa Nacional e da Segurança Pública do TCU, é necessário analisar se houve efetivamente, na ação administrativa, “omissão de agentes públicos (e até incentivo a atos ilegais) no cumprimento dos seus deveres e obrigações, desvirtuando o papel atribuído na Constituição e na lei à PRF”.

Os principais documentos requeridos pela Corte de Contas incluem: os planejamentos de ações operacionais da PRF para os dias do primeiro e segundo turno; os planejamentos de ações operacionais para os quatro dias seguintes às datas do primeiro e segundo turno; número de efetivo de pessoal disponível, por cidade, estado e área de abrangência, por turno e dia, entre 24 de setembro de 4 de novembro.

A corporação também deverá informar sobre medidas adotadas ou a adotar para apurar eventual ação ilegal de dirigentes e agentes operacionais, além de apresentar documentos sobre a atuação da PRF nos dias 30 de outubro e quatro dias seguintes, “considerando os vídeos que vieram a público nas redes sociais com comportamento dos agentes públicos, e a decisão do STF que reputou, a priori, omissa, ilegal e inconstitucional a atuação do órgão e de seus agentes”.

*AE

Leia também1 Militar que matou colega tinha hábito de "brincar" com arma
2 Em SP, Conselho recomenda máscaras no transporte público
3 Justiça expede novo mandado de prisão contra Gabriel Monteiro
4 Pai de militar da FAB morto por colega: "Perdoo o assassino"
5 Cabral desmaia na cadeia após saber de operação contra o filho

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.