Leia também:
X Mãe e Jairinho jogaram celular pela janela na hora da prisão

Subprocurador quer mandato fixo para ministros do STF

Em proposta enviada ao Senado, Carlos Fonseca propôs alterações na escolha de integrantes do Supremo

Pleno.News - 08/04/2021 15h32 | atualizado em 08/04/2021 16h20

Subprocurador defende elevação da idade mínima e mandato fixo para ministros do STF Foto: Agência Brasil/Valter Campanato

A três meses da aposentadoria do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), ocasião em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) deverá escolher um substituto para a cadeira do decano, o Congresso Nacional volta a ser cobrado a desengavetar projetos de lei que sugerem mudanças nas regras para indicação de magistrados ao tribunal e para a vigência dos cargos.

Em fevereiro do ano passado, o subprocurador-geral da República, Carlos Fonseca, enviou uma nota técnica ao gabinete da senadora Simone Tebet (MDB-MS), então presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, com propostas de alteração no processo. A ideia era que os pontos levantados no documento fossem incluídos na forma de um substitutivo aos projetos já apresentados ou inspirassem o envio de um novo texto.

– A sociedade tem um senso de urgência. Parece que a palavra está com o Congresso Nacional – argumentava o subprocurador.

Na época, havia sete Propostas de Emenda à Constituição (PEC) em discussão no Senado sobre o assunto. Hoje são pelo menos vinte.

O Estadão conversou com o subprocurador. Ao blog, Fonseca contou que enviou a nota a diversos congressistas e chegou a se reunir com dois senadores.

– De um modo geral, não recebemos retorno – afirma ele.

No entanto, na avaliação do subprocurador, a renovação das Casas Legislativas, que passaram por eleições internas no mês passado, pode favorecer a retomada da discussão.

– A existência de mais de 20 PL’s indica a insatisfação e o desejo de alterar o desenho da composição dos tribunais superiores – defende Fonseca.

O subprocurador propõe as seguintes mudanças:

– Aumento da idade mínima para ingresso: de 35 para 50 anos.

– Mandato fixo de 15 anos, sem possibilidade de recondução. Hoje, ao assumir uma cadeira no tribunal, um ministro pode ficar até 40 anos no cargo, levando em conta que a única regra sobre a permanência na função é a que define a aposentadoria compulsória aos 75 anos.

– Prazo de até um mês, a contar da abertura da vaga, para escolha do ministro pelo presidente.

– Obrigação de “guarda da integridade”.

Na justificativa da nota técnica, Fonseca argumenta que a elevação da idade pra assumir a vaga garantirá a “maturidade profissional” do ministro e, combinada com um mandato fixo, permitirá maior renovação no tribunal.

– A velocidade de renovação das composições contribuirá para um alinhamento com as demandas sociais e de integridade da administração pública, argumentando a legitimidade popular de suas decisões – afirma ele na nota.

Ao blog, Fonseca explica que as propostas precisam ser analisadas em seus pormenores, uma vez que há projetos que sugerem, por exemplo, mandatos fixos com possibilidade de recondução.

– Um mandato menor abre espaço para um segundo mandato, e isso não é bom para a independência dos ministros, que, para renovar seu mandato, ficaria fragilizado – avalia Fonseca.

Clima no Congresso
Durante a pandemia, Câmara e Senado seguem com as pautas alinhadas para priorizar o enfrentamento da crise sanitária. Além do foco no combate ao coronavírus, outro fator, de ordem política, pesa para que os parlamentares desviem os olhos da discussão: o debate de medidas que afetam outro poder da República é sempre uma via de mão dupla e há congressistas investigados no tribunal. O próprio presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é réu na Corte.

Propostas
Pelo Congresso, já passaram propostas para alterar desde o processo de indicação dos ministros do STF, com necessidade de lista tríplice, como vinha sendo feito informalmente no Ministério Público Federal, até a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), com nomes indicados por tribunais superiores, até sugestões de mandato fixo, com ou sem recondução.

Entre as propostas mais prosperas estão a PEC 35/2015, de autoria do senador Lasier Martins (Podemos-RS), que começou a ser analisada pela CCJ no início do ano passado. Na época, o então presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), colocou a PEC como uma das prioridades de votação. O debate, no entanto, acabou fora da pauta com a emergência da pandemia.

*Estadão

Leia também1 STF retoma julgamento sobre cultos e missas. Acompanhe!
2 Conselho de Ética julga ações contra Eduardo Bolsonaro
3 STF retoma, nesta quinta-feira, julgamento sobre cultos e missas
4 42% dos brasileiros reprovam o trabalho do STF, diz pesquisa
5 "Acredito que o STF dará uma boa resposta sobre abrir igrejas"

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.