Leia também:
X “Clamor das manifestações é legítimo”, reforça Mourão

STF: Moraes bloqueia contas de supostos financiadores de atos

Ministro também ordenou a quebra de sigilos bancários de suspeitos de financiarem manifestações

Paulo Moura - 15/12/2022 09h39 | atualizado em 16/12/2022 07h20

Alexandre de Moraes, ministro do STF Foto: Carlos Moura/SCO/STF

Além de emitir mais de 100 mandados de busca e apreensão contra participantes de manifestações contrárias ao resultado das eleições, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), também determinou o bloqueio de contas de dezenas de empresários e a quebra de sigilos bancários de suspeitos de financiarem manifestações contra o pleito.

As buscas são realizadas em endereços de pessoas físicas e jurídicas nos estados do Acre, Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Paraná e Santa Catarina. No último dia 7 de dezembro, Moraes já havia multado em R$ 100 mil os proprietários de caminhões identificados por autoridades de Mato Grosso como participantes de manifestações.

No total, os mandados estão distribuídos da seguinte maneira: nove no Acre, um no Amazonas, um em Rondônia, 20 em Mato Grosso, 17 em Mato Grosso do Sul, um no Distrito Federal, 16 no Paraná, 23 no Espírito Santo e 15 em Santa Catarina.

Em novembro, Moraes também já tinha ordenado o bloqueio de contas bancárias ligadas a 43 pessoas e empresas suspeitas de envolvimento com os atos. Desde o fim do segundo turno da eleição presidencial, inúmeras rodovias chegaram a ser bloqueadas como protesto pelo resultado do pleito.

Leia também1 "Clamor das manifestações é legítimo", reforça Mourão
2 A mando de Moraes, PF realiza operação contra manifestantes
3 Moraes arquiva representação de Randolfe contra Michelle
4 Além de Bolsonaro, 8 aliados são réus por questionar eleições
5 No Alvorada, Jair Bolsonaro recebe Tarcísio e Padre Kelmon

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.