Leia também:
X “Lula presta um desserviço à democracia”, diz Juan Guaidó

STF investiga deputados federais que teriam apoiado atos no DF

Apuração da PF contra André Fernandes, Sílvia Waiãpi e Clarissa Tércio terá prazo de 60 dias

Lucas Dias - 25/01/2023 12h00 | atualizado em 25/01/2023 12h19

André Fernandes, Sílvia Waiãpi e Clarissa Tércio Foto: Assembleia Legislativa do Ceará/Junior Pio // Agência Senado/Edilson Rodrigues // Assembleia Legislativa de Pernambuco/Roberto Soares

Na segunda-feira (23), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes abriu uma investigação contra três deputados federais eleitos: André Fernandes (PL-CE), Sílvia Waiãpi (PL-AP) e Clarissa Tércio (PP-PE). O motivo do inquérito é por suposto incentivo e apoio dado pelos parlamentares, por meio das redes sociais, aos atos e depredações do patrimônio público no último dia 8, em Brasília.

A decisão de Moraes partiu de uma solicitação da Procuradoria-Geral da República (PGR) realizada nos dias 11 e 12 de janeiro.

Na ocasião das manifestações, a deputada Clarissa endossou a invasão ao Congresso Nacional.

– Acabamos de tomar o poder. Estamos dentro do Congresso. Todo povo está aqui em cima. Isso vai ficar para a história, a história dos meus netos, dos meus bisnetos – escreveu a congressista.

Waiãpi, por sua vez, publicou um vídeo dos protestos e se pronunciou na legenda da postagem.

– Povo toma a Esplanada dos Ministérios neste domingo! Tomada de poder pelo povo brasileiro, insatisfeito com o governo vermelho – assinalou Waiãpi.

Já o deputado André Fernandes convocou a população, por meio do Twitter, a participar dos “atos contra o governo Lula”, e postou uma foto da porta de um armário com o nome de Moraes nela. Na legenda da publicação Fernandes escreveu: “Quem rir vai preso”. O deputado afirmou ainda que esteve presente durante às depredações, segundo o portal do STF.

Na última semana, Clarissa Tércio chegou a se pronunciar no Instagram sobre o pedido de abertura de inquérito emitido pela PGR contra ela.

– Postar um vídeo pedindo oração pelo meu país é considerado incitação a atos de terrorismo? Se for, esse é meu crime! – escreveu, marcando os colegas André Fernandes e Silvia Waiãpi na postagem.

As investigações da Polícia Federal (PF) terão o prazo de 60 dias para serem concluídas.

Leia também1 Petrobras: Conselho deve votar nome de petista na quinta-feira
2 AGU pede bloqueio de bens de 40 manifestantes presos no DF
3 Moraes decide manter prisão preventiva de Roberto Jefferson
4 Deputado quer lei para impedir uso do BNDES para outros países
5 Bolsonaro terá de voltar ao Brasil para nova cirurgia, diz médico

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.