Leia também:
X “Paulo Guedes continua no governo”, garante Jair Bolsonaro

STF forma maioria para negar habeas corpus a Jefferson

Ex-deputado está preso desde agosto

Gabriela Doria - 21/10/2021 22h31 | atualizado em 22/10/2021 10h10

Roberto Jefferson teve novo pedido de habeas corpus negado pelo STF Foto: Divulgação/PTB/Weleson Nascimento

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria, nesta quinta-feira (21), para recusar a concessão de um habeas corpus ao ex-deputado federal e presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson. O julgamento ocorre no plenário virtual da Corte.

Foram contrários ao pedido da defesa os ministros Edson Fachin, relator do caso, Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Cármen Lúcia e Dias Toffoli. O ministro Alexandre de Moraes, responsável pela prisão de Jefferson, se disse impedido de julgar o pedido.

Em seu discurso, Fachin argumentou que, “conforme anteriormente explicitado, não é cabível habeas corpus em hipóteses como a dos autos, em que se impugna decisão monocrática proferida por ministro desta Corte”. O mesmo entendimento foi apontado por Weber, Cármen, Lewandowski e Toffoli.

Ainda faltam os votos dos ministros Luís Roberto Barroso, Gilmar Mendes, Nunes Marques e Luiz Fux. O prazo para divulgação dos votos se encerra nesta sexta-feira (22).

Roberto Jefferson está preso no presídio de Bangu, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, desde agosto, por determinação do ministro Alexandre de Moraes. Ele é investigado por supostamente integrar um grupo digital que conspira contra a democracia e as instituições.

Leia também1 "Paulo Guedes continua no governo", garante Jair Bolsonaro
2 STF: Veja quais crimes Moraes imputa a Allan dos Santos
3 Allan dos Santos repudia Moraes por prisão: "Perseguição abjeta"
4 PSDB: Joice Hasselmann pode ser impedida de votar nas prévias
5 Secretários de Paulo Guedes se demitem após crise do teto fiscal

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.