Leia também:
X STJ barra ação contra autor de texto sobre morte de Bolsonaro

STF dá 48 horas para que BC explique cédula de R$ 200

Prazo para manifestação foi dado pela ministra Cármen Lúcia

Henrique Gimenes - 25/08/2020 19h48 | atualizado em 25/08/2020 20h46

Ministra Cármen Lúcia Foto: Agência Brasil/Fábio Rodrigues Pozzebom

Nesta terça-feira (25), a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu um prazo de 48 horas para que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, dê esclarecimentos sobre a nova cédula de R$ 200. A medida faz parte de uma ação apresentada por partidos políticos para impedir que a nota entre em circulação.

A ação foi apresentada ao Supremo pelo PSB, Podemos e Rede Sustentabilidade baseada no posicionamento de 10 organizações anticorrupção. De acordo com as entidades, a nota de R$ 200 iria beneficiar atividades ilícitas como corrupção, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, ocultação e evasão de divisas já que a nova cédula favorece “o armazenamento e o transporte de recursos obtidos ilegalmente e dificultando a rastreabilidade das respectivas transações”.

A ministra Cármen Lúcia foi a escolhida como relatora do processo.

Na ação, os partidos também afirmam que o Banco Central não apresentou argumentos suficientes que justifiquem a necessidade de se criar a cédula de R$ 200. Além disso, eles afirmaram que a instituição financeira não ouviu o Ministério da Justiça e outros órgãos de enfrentamento à corrupção.

De acordo com o BC, o animal que irá estampar a cédula de R$ 200 será o lobo-guará. Já a cor escolhida para a nota foi cinza.

Leia também1 Partidos acionam STF para tentar barrar nota de R$ 200
2 Golpistas "aproveitam" e lançam nota falsa de R$ 200
3 Banco Central escolhe cinza como a cor da nota de R$ 200
4 Lançamento da cédula de R$ 200 gera memes. Confira!
5 BC anuncia lançamento da cédula de R$ 200

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.