Leia também:
X Câmara não vota e MP do saque do FGTS perde validade

STF aceita pedido de Lula e tira delação de Palocci de processo

Ação trata do pagamento de vantagens indevidas pela Odebrecht

Henrique Gimenes - 04/08/2020 20h11 | atualizado em 04/08/2020 20h13

Ex-presidente Lula Foto: Marlene Bergamo/Folhapress

Nesta terça-feira (4), a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Por dois votos a um, os ministro retiraram a delação do ex-ministro Antonio Palocci de uma ação contra o petista.

A ação trata do recebimento por Lula de supostas vantagens indevidas da Odebrecht. No caso seriam um terreno em São Paulo para ser utilizado como nova sede do Instituto Lula, um apartamento em São Bernardo do Campo (SP) e ainda diversos pagamentos ao ex-presidente e ao PT.

No recurso apresentado ao STF, a defesa de Lula apontou uma suposta imparcialidade do ex-juiz Sergio Moro ao incluir a delação de Palocci na ação dias antes das eleições de 2018. O pedido havia sido rejeitado pelo ministro Edson Fachin, mas os advogados do petista recorreram e o caso foi julgado pela Segunda Turma.

O placar da votação terminou com dois votos a favor do petista e um voto contra. Os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski votaram pela retirada do acordo. Já o ministro Edson Fachin votou contra. Os ministros Celso de Mello e Cármen Lúcia não participaram da sessão.

No mesmo julgamento, a Segunda Turma da Corte decidiu ainda conceder acesso aos documentos do acordo de leniência da Odebrecht à defesa de Lula.

Leia também1 STF quer que governo explique relatório de servidores antifas
2 STF tem maioria para manter operações policiais suspensas
3 Fux se declara impedido de julgar caso de Wilson Witzel
4 Felipe Neto gagueja ao tentar defender censura nas redes
5 PGR irá recorrer da decisão de Fachin sobre a Lava Jato

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.