Leia também:
X Turista português é agredido por assaltantes na Zona Sul do Rio

Senador Jaques Wagner desiste de disputar governo da Bahia

O senador participou ontem de reunião com a bancada baiana do PSD no Congresso

Pleno.News - 25/02/2022 13h12 | atualizado em 25/02/2022 13h25

Senador Jaques Wagner Foto: Elza Fiúsa/ Agência Brasil

Nessa quinta-feira (24), o senador Jaques Wagner (PT) avisou líderes do partido de que não vai ser candidato ao governo da Bahia. Com isso, o senador Otto Alencar (PSD) deve disputar o Executivo estadual. O governador Rui Costa (PT) pretende concorrer ao Senado. A chapa seria discutida na noite de ontem entre os três e o senador Ângelo Coronel (PSD).

A desistência de Wagner veio depois de Otto Alencar declarar que aceitaria entrar na corrida pelo governo. O senador participou ontem de reunião com a bancada baiana do PSD no Congresso. Ele foi incentivado pelos correligionários a concorrer em outubro. Com o arranjo, o vice-governador João Leão (PP) deve assumir o Executivo baiano a partir de abril, quando Costa terá de renunciar para disputar uma vaga no Senado. O PP articula indicar a vice na chapa de Otto Alencar.

Há pouco mais de uma semana, durante uma reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi discutida a possibilidade de Wagner desistir. Na ocasião, o senador não fez objeções à troca na cabeça de chapa e pediu apenas que houvesse uma solução que assegurasse a unidade do grupo.

Kassab

O movimento foi visto como um aceno de Lula ao presidente do PSD, Gilberto Kassab, de quem ele tenta obter apoio à sua candidatura à Presidência ainda no primeiro turno.

Após a reunião, Wagner publicou no Twitter que permanecia pré-candidato ao governo, enquanto Otto Alencar continuou dando declarações públicas de que preferia tentar se reeleger senador. As pressões de Costa para concorrer ao Senado, no entanto, levaram a uma mudança de planos.

Wagner, então, passou a admitir a possibilidade de abrir mão da disputa. O senador teve uma nova conversa sobre o assunto com Lula, na segunda-feira (21), em São Paulo, na qual recebeu aval para prosseguir com a articulação em favor de Otto Alencar.

A ideia de abrir mão da cabeça de chapa não era bem aceita dentro do PT. O partido teme o encolhimento das bancadas federal e estadual e avalia que uma campanha casada entre Lula e Wagner teria mais força contra ACM Neto (União Brasil), líder nas pesquisas.

*AE

Leia também1 Em enquete, Bolsonaro recebe 67% da preferência, e Lula, 33%
2 Caetano Veloso: "O governo é o avesso do que devemos ser"
3 Agenda de Bolsonaro e Tarcísio tem motociata no interior de SP
4 Sergio Moro parabeniza Mourão: "Voz sensata na República"
5 STF está perto de manter Fundão Eleitoral de R$ 4,9 bilhões

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.