Leia também:
X Advogado liga pandemia à ida de Bolsonaro ao Templo de Salomão

Secom rebate artigo da revista The Economist contra Bolsonaro

Secretaria classificou texto de revista britânica como parte de uma parte de uma "retórica insana"

Paulo Moura - 07/06/2021 14h12 | atualizado em 07/06/2021 15h23

Governo rebateu artigo da Economist contra Bolsonaro Foto: Reprodução

A Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República rebateu, no domingo (6), um artigo publicado pela revista britânica The Economist com diversos ataques contra o presidente Jair Bolsonaro e seu governo. Intitulado de Time to go (traduzido para o português como Hora de ir), o texto foi publicado no último dia 3 de junho.

O artigo, que faz parte de um especial sobre o Brasil publicado na edição semanal da revista, foi classificado pela comunicação do governo como de uma parte de uma “retórica insana”.

A capa da Economist traz a imagem a estátua do Cristo Redentor no Rio recebendo oxigênio e o título: Brazil’s dismal decade (A década sombria do Brasil, na tradução para o português).

– A narrativa do texto, em suma, é a seguinte: o presidente seria um ditador que estaria matando o próprio povo, seus apoiadores estariam dispostos à guerra civil, e o Exército estaria disposto a intervir caso o presidente perca as próximas eleições – aponta a Secom.

A Secom ainda diz que a revista faz um “panfletarismo juvenil” e traz “narrativas mais falaciosas, histriônicas e exageradas da oposição ao Governo Federal […], atacando o intenso trabalho do governo do Brasil, a autonomia da nação brasileira e os brasileiros como um todo”.

Em sua defesa, o governo aponta que diminuiu a pobreza no Brasil ao instituir o auxílio emergencial, que “investiu na preservação de vidas” e que está entre os países mais vacinam a população contra a Covid-19. A Secom cita ainda o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em meio a uma crise econômica mundial.

– Claro está que, com sua retórica insana, a revista busca desmerecer todo o incontestável trabalho de defesa da vida e de preservação do emprego, das liberdades e da dignidade dos brasileiros. Sob o disfarce de crítica ao Presidente, a The Economist ataca a nação brasileira – destaca.

A secretaria ainda afirma que o texto da publicação britânica é cheio de contradições e que “a boa notícia é que nem os brasileiros, nem o mercado, nem o mundo caíram no pranto ideológico e raivoso de [The] Economist. Se a matéria tivesse alguma credibilidade, provavelmente a Bolsa de Valores sofreria alguma alteração significativa, por exemplo. Não foi o que aconteceu”.

– Ao mesmo tempo em que diz que o crescimento do país está estagnado, diz que a recuperação da economia também pode reeleger o PR [presidente da República]. Ao mesmo tempo em que acusa o PR de ser antidemocrático, conclama o Exército a insurgir-se contra seu chefe, em apologia a golpe antidemocrático – completa.

Confira, na íntegra, o texto divulgado pela Secom:

“A revista The Economist enterra a ética jornalista e extrapola todos os limites do debate público, ecoando no artigo “É hora de ir embora” algumas das narrativas mais falaciosas, histriônicas e exageradas da oposição ao Governo Federal.

Com o objetivo de atacar o Presidente da República e influenciar os rumos políticos do Brasil, destila uma retórica de torcida organizada e acaba, na verdade, atacando o intenso trabalho do Governo do Brasil, a autonomia da Nação Brasileira e os brasileiros como um todo.

A boa notícia é que nem os brasileiros, nem o mercado, nem o mundo caíram no pranto ideológico e raivoso da Economist. Se a matéria tivesse alguma credibilidade, provavelmente a Bolsa de Valores sofreria alguma alteração significativa, por exemplo. Não foi o que aconteceu.

O argumento central do artigo assim está proclamado: ‘Será difícil mudar o curso do Brasil enquanto Bolsonaro for presidente’. Do que está falando The Economist? Que curso gostariam de mudar?

Será o curso do país que decretou Estado de Emergência em Saúde Pública antes mesmo de a OMS decretar pandemia, enquanto estados governados pela oposição incentivavam e festejavam o carnaval?

Ou o curso do país que sempre investiu mais do que a média dos países emergentes no combate à Covid, que preservou milhões de vidas, que está entre os cinco a garantir autossuficiência na produção de vacinas e que é hoje um dos países que mais vacina sua população?

Ou quer a The Economist mudar o curso do país cujo Governo instituiu o Auxílio Emergencial, um dos maiores programas sociais do mundo, que beneficiou direta e indiretamente metade de sua população e fez do Brasil o único país da AL onde a pobreza diminuiu durante a pandemia?

Ou, ainda, o curso do país que, apesar de toda a crise global, vê sua economia voltar já aos níveis pré-Covid, com o PIB crescendo acima das expectativas e com geração ininterrupta de empregos?

Nos primeiros quatro meses de 2021, nosso Brasil viu um saldo positivo de quase um milhão de empregos. Após a queda abrupta do início da pandemia, nos últimos 10 meses tivemos 9 meses de saldo positivo de geração de emprego. É esse curso que a The Economist deseja mudar?

Claro está que, com sua retórica insana, a revista busca desmerecer todo o incontestável trabalho de defesa da vida e de preservação do emprego, das liberdades e da dignidade dos brasileiros. Sob o disfarce de crítica ao Presidente, a The Economist ataca a Nação Brasileira.

Embora não restem dúvidas da falta de credibilidade e de ética no artigo de viés oposicionista lamentavelmente publicado pela revista, analisemos a “matéria”, para entendermos claramente como se estabelecem narrativas cruéis e atentatórias ao Brasil e aos brasileiros.

A narrativa do texto, em suma, é a seguinte: o Presidente seria um ditador que estaria matando o próprio povo; seus apoiadores estariam dispostos à guerra civil e o Exército estaria disposto a intervir caso o Presidente perca as próximas eleições.

Segundo a tradução replicada pelo Estadão, aqui utilizada, The Economist chega a afirmar que a solução seria ELIMINAR o Presidente: ‘A prioridade mais urgente é eliminá-lo’, afirmam.

Vejam bem: não falam apenas em vencer nas urnas, superar, destituir. Falam em ELIMINAR. Estaria o artigo fazendo uma assustadora apologia ao homicídio do Presidente?

Além disso, há várias contradições no texto: ao mesmo tempo em que acusa o Presidente de não conseguir fazer contratos de vacinas, diz que o avanço da vacinação pode reelegê-lo.

Ao mesmo tempo em que diz que o crescimento do país está estagnado, diz que a recuperação da economia também pode reeleger o PR. Ao mesmo tempo em que acusa o PR de ser antidemocrático, conclama o Exército a insurgir-se contra seu chefe, em apologia a golpe antidemocrático.

Ao mesmo tempo que acusa o Presidente de atacar instituições, celebra as impunes acusações levianas e as ofensas que o Presidente recebe constantemente.

A Economist incorre também em absurdos próprios de panfletarismo juvenil, como este: ‘Mais quatro anos sob o comando dele [Bolsonaro] podem devastar a Amazônia, onde grande parte da floresta tropical pode se transformar em uma savana seca’.

Eis o vaticínio surreal feito sobre o país que mais conserva a natureza no mundo e que tem intensificado as ações de fiscalização, enquanto produz alimentos para o mundo todo com sustentabilidade e responsabilidade. +

Em verdade, a previsão que a Economist faz sobre a Amazônia revela sua mal-disfarçada torcida contra o Brasil. Torcida esta que fica constrangedoramente escancarada no fim do artigo: ‘[…] com a vacinação e a recuperação da economia, o presidente pode recuperar terreno’.

Em outras palavras: parece que o desespero da Economist e do jornalismo militante, antidemocrático e irresponsável é para que o Presidente da República seja ELIMINADO o quanto antes, antes que ele e seu Governo concluam o excelente trabalho que fazem para o bem do Brasil.

Em tempo: apesar dos pesares, agradecemos à Economist pelo reconhecimento, por admitir que estamos avançando, << com a vacinação e a recuperação da economia >>, segundo as palavras do próprio veículo.

Talvez, justamente por reconhecer nossos avanços, a Economist esteja tentando interferir em nossas questões domésticas e, segundo o texto, defenda a eliminação do Presidente que está livrando o Brasil da corrupção e da sujeição às oligarquias que a revista parece representar.”

Leia também1 Advogado liga pandemia à ida de Bolsonaro ao Templo de Salomão
2 PRF: Apreensão de crack cresceu 213% em rodovias do Brasil
3 Moraes retira sigilo do inquérito de atos antidemocráticos
4 Bolsonaro convoca apoiadores para motociata em São Paulo
5 Bolsonaro nega interferência em técnico ou jogadores da Seleção

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.