Leia também:
X Braga Netto faz “papel ridículo” na Defesa, diz Renan Calheiros

‘Se houvesse ditadura em 1964, muitos não estariam aqui’

General Braga Netto disse que o contexto, na época, era outro

Pierre Borges - 17/08/2021 16h32 | atualizado em 17/08/2021 16h37

Ministro da Defesa, general Walter Braga Netto Foto: PR/Marcos Corrêa

O ministro da Defesa, Walter Braga Netto, negou nesta terça-feira que o regime militar vigente no Brasil entre 1964 e 1985 foi uma ditadura. O general disse que o que houve foi um “regime forte”, que deve “ser analisado na época da história”.

– Não, não considero que tenha havido uma ditadura. Houve um regime forte, isso eu concordo – declarou o ministro.

Braga Netto afirmou que, no período, houve exceções dos dois lados, mas que, na época, havia um contexto de guerra fria e que não se pode “pegar uma coisa do passado e trazer para os dias de hoje”.

– Se houvesse ditadura, talvez muitos dos… Muitas pessoas não estariam aqui. Ditadura, como foi dito por outro deputado, é em outros países – afirmou.

Braga Netto foi convidado pela Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara para prestar esclarecimentos sobre uma nota publicada em conjunto com os comandantes das Forças Armadas, em que criticou declarações do presidente da CPI da Covid, o senador Omar Aziz.

O general também presta explicações sobre a suposta ameaça feita ao presidente da Câmara, Arthur Lira, de que não haveria eleições em 2022 caso o voto impresso não fosse aprovado. Braga Netto e Lira negam que qualquer ameaça tenha sido feita.

Leia também1 Braga Netto faz “papel ridículo” na Defesa, diz Renan Calheiros
2 'Forças Armadas trabalham em cima do que está no artigo 142'
3 Bolsonaro vai ao Senado para "remover" Barroso e Moraes
4 Heleno cita artigo 142: "Está na Constituição, pode ser usado"
5 Ministro: Desfile militar foi para Bolsonaro 'prestigiar' as Forças

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.