Leia também:
X Paula Toller ganha ação contra Leoni por campanha petista

Saúde diz à PGR que 13 estados ‘têm preocupações’ com oxigênio

Situação foi relatada por um assessor do Departamento de Logística do Ministério

Pleno.News - 23/03/2021 15h45 | atualizado em 23/03/2021 16h17

Covid: 13 Estados têm preocupações com fornecimento de oxigênio, diz Saúde à PGR Foto: Exército Brasileiro/Sd Ribeiro

Um monitoramento do Ministério da Saúde (MS) apontou que o fornecimento de oxigênio medicinal está “preocupante” em seis estados e em “estado de atenção” em outros sete, em meio ao agravamento da pandemia da Covid-19 no país. A situação foi relatada por um assessor do Departamento de Logística da pasta em reunião na segunda-feira (22) com a Procuradoria Geral da República (PGR).

Na videoconferência, o general Ridauto Fernandes, diretor de Logística do ministério, disse que há risco de falta do insumo no Acre, em Rondônia, no Mato Grosso, no Amapá, no Ceará e no Rio Grande do Norte. Além disso, afirmou que o Pará, a Bahia, Minas Gerais, São Paulo, o Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul estão em “estado de atenção”.

De acordo com a PGR, o general ainda apontou que o governo federal estuda incluir os motoristas de empresas de gases medicinais como grupo prioritário da vacinação contra o novo coronavírus. A demanda é reivindicada pelas fabricantes.

Na segunda-feira, o Gabinete Integrado de Acompanhamento da Epidemia de Covid-19 (Giac) já havia enviado um ofício ao governo federal sobre o risco de desabastecimento do Amapá. Segundo comunicado da PGR, ainda há relatos de problemas na Paraíba e outros estados do Nordeste.

A multinacional White Martins também participou na reunião, na qual teria informado um aumento de até 300% na demanda em algumas localidades. A empresa também criticou liminares que determinam a entrega de quantidades do produto sem considerar a situação do setor têm desorganizado a logística e trazem “risco de desabastecimento em grandes hospitais”.

A escassez de oxigênio tem preocupado estados e municípios. Na segunda-feira, o Mato Grosso confirmou que duas fornecedoras notificaram haver risco de desabastecimento em cerca de 50 municípios. Na mesma data, o Paraná indicou necessitar de mil cilindros para dar conta da demanda, enquanto na sexta-feira (19) um levantamento apontou que 54 municípios paulistas estão com “estoque crítico” de oxigênio.

Em audiência pública no Senado na quinta-feira passada (18), o general Ridauto já havia admitido que o país está com risco iminente de desabastecimento em municípios do interior e em alguns estados que dependem principalmente de cilindros por não terem estrutura para armazenar o produto em estado líquido.

– A expectativa da falta perigosa desses produtos na ponta da linha, nos pequenos hospitais, é de poucos dias – declarou.

E continuou:

– Hoje, o maior risco de perda de vida está nas pequenas unidades, mesmo nas capitais, e nos hospitais do interior. São aqueles que vivem do oxigênio gasoso. Está acontecendo em todo o Brasil – afirmou o general na data.

*Estadão

Leia também1 Pfizer inicia ensaio clínico de medicamento contra a Covid-19
2 Manifestantes protestam com fogo na Marginal Tietê, em SP
3 Reino Unido multará cidadãos que tirarem férias no exterior
4 Testes indicam que vacina alemã protege contra cepa sul-africana
5 Prefeita impõe lockdown em Juiz de Fora, e multidão reage

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.