Leia também:
X Pacheco admite possibilidade de fatiar PEC Emergencial

Saiba quanto tempo falta para ministros do STF se aposentarem

Três dos magistrados ainda podem se manter no cargo até depois de 2040

Pierre Borges - 24/02/2021 17h58 | atualizado em 24/02/2021 18h38

Marco Aurélio será o próximo ministro a deixar a Corte Foto: José Cruz/Agência Brasil

O cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) é único no cenário nacional. Isso porque, embora não sejam eleitos mediante votação e não possam ser retirados do cargo fora do tempo, senão por um processo de impeachment, o mandato dos membros da mais alta instância do poder judiciário só acaba com a aposentadoria dos mesmos.

Para ser indicado como ministro do STF é necessário possuir, no mínimo, 35 anos de idade e, no máximo, 65. Ou seja, o menor tempo de mandato para um ministro da Corte é de 10 anos e pode chegar até a 40 anos, caso o indicado possua a idade mínima para o cargo.

Até 2015, a idade máxima permitida para que os ministros do Supremo se aposentassem era de 70 anos de idade. Conhecida como PEC da Bengala, a Proposta de Emenda Constitucional 457/05 foi aprovada em outubro de 2015 pela Câmara dos Deputados, determinando que a idade limite para os magistrados aumentasse para 75 anos.

Se a idade limite para os ministros permanecesse a mesma e se não houvesse o impeachment presidencial em 2016, Dilma Rousseff poderia indicar mais quatro ministros para o Supremo, formando maioria na Casa.

Em 2019, entretanto, a deputada federal Bia Kicis apresentou uma nova PEC para reestabelecer a idade limite para os 70 anos de idade. Se aprovada, o presidente Jair Bolsonaro poderá indicar mais três ministros ao Supremo até o fim de seu mandato, em 2022. Com a idade mantida para 75, Bolsonaro indica apenas mais um ministro.

DATAS
Considerando a legislação vigente, em que os ministros devem se aposentar com 75 anos, veja a seguir quando cada ministro permanecerá na Corte.

– Marco Aurélio Mello: Julho de 2021 (indicado por Collor em 1990)

– Ricardo Lewandowski: Maio de 2023 (indicado por Lula em 2006)

– Rosa Weber: Outubro de 2023 (indicada por Dilma em 2011)

– Luiz Fux: Abril de 2028 (indicado por Dilma em 2011)

– Cármen Lúcia: Abril de 2029 (indicada por Lula em 2006)

– Gilmar Mendes: Dezembro de 2030 (indicado por FHC em 2002)

– Edson Fachin: Fevereiro de 2033 (indicado por Dilma em 2015)

– Luís Roberto Barroso: Março de 2033 (indicado por Dilma em 2013)

– Dias Toffoli: Novembro de 2042 (indicado por Lula em 2009)

– Alexandre de Moraes: dezembro de 2043 (indicado por Temer em 2017)

– Nunes Marques: Maio de 2047 (indicado por Bolsonaro em 2020)

Leia também1 Processos de Daniel Silveira e Flordelis já têm relatores
2 Moraes é alvo de denúncia em comissão de direitos humanos
3 STF arquiva inquérito contra o senador petista Humberto Costa
4 Weber dá 5 dias para Bolsonaro explicar decreto de armas
5 Entenda o que é imunidade parlamentar e foro privilegiado

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.