Leia também:
X É domingo de eleição! Veja 10 coisas que você precisa saber

Russomanno diz ser perseguido por se aliar a Bolsonaro

O candidato à Prefeitura de São Paulo fez campanha em Heliópolis ao lado de lideranças da comunidade

Thamirys Andrade - 12/11/2020 16h12 | atualizado em 12/11/2020 16h28

Bolsonaro anunciou apoio para Celso Russomanno Foto: Agência Estadão/Ettore Chieriguine

O candidato à Prefeitura de São Paulo Celso Russomanno (Republicanos) reclamou nesta quinta-feira (12) de sofrer perseguição política devido a sua proximidade com o presidente Jair Bolsonaro. A fala aconteceu durante uma caminhada de campanha em Heliópolis, maior favela da cidade. Na ocasião, Russomanno falava sobre a necessidade do apoio do governo federal para renegociar as dívidas de São Paulo.

– Para investir em comunidades como Heliópolis, a gente precisa de investimento. E o governo federal pode fazer investimento. Nós temos dinheiro do governo federal vindo aqui o tempo inteiro e só querem falar mal do Bolsonaro? Vocês perseguem o presidente Bolsonaro, isso não se faz. Vocês estão me perseguindo porque sou aliado dele – argumentou ao lado de lideranças da comunidade.

Com um milhão de metros quadrados, Heliópolis abriga 240 mil pessoas. O candidato, que tem oscilado entre o segundo e o terceiro lugar nas pesquisas, acredita encontrar seu impulso político nas periferias da cidade, locais que, segundo ele, o Datafolha não apurou. Concorrendo à prefeitura pela terceira vez, Russomanno tem aparecido atrás de Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (Psol).

Leia também1 Russomanno dispara contra Arthur do Val: "Você não é nada"
2 Web ironiza #LaranjalDoBoulos: "Vai um suco de laranja aí?"
3 É domingo de eleição! Veja 10 coisas que você precisa saber
4 Eleições 2020: Saiba se o seu local de votação mudou
5 TSE aprova novo envio de tropas para segurança das eleições

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.