Leia também:
X PT ‘promovia sexualização’ em escolas, lembra Jair Bolsonaro

Rodrigo Pacheco devolve projeto de igualdade salarial à Câmara

Texto retorna devido a um questionamento regimental sobre mudanças feitas pelo Senado, sem o aval da Câmara

Pleno.News - 27/04/2021 17h59

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco
Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), devolveu o projeto que garante igualdade salarial entre homens e mulheres para a Câmara dos Deputados, mesmo após aprovação das duas casas legislativas.

A proposta estava pronta para ser enviada à sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro, mas vai dar um passo para trás na tramitação. Um questionamento regimental sobre mudanças feitas no texto pelo Senado, sem o aval da Câmara, levou à decisão de devolver o projeto para análise dos deputados.

Na semana passada, criticando a proposta, Bolsonaro sugeriu que arranjar emprego pode se tornar “quase impossível” para as mulheres caso a medida fosse sancionada. A declaração foi criticada pela bancada feminina do Senado. Pacheco afirmou que a alteração provocou uma divisão até entre técnicos do Congresso e que, para evitar questionamentos à nova lei, devolveria a proposta para a Câmara.

Na Câmara, a bancada feminina deve designar uma relatora nos próximos dias. As deputadas devem adicionar um dispositivo no texto para barrar a possibilidade de processos retroativos à data da sanção da lei, umas das preocupações levadas ao Palácio do Planalto por empresários. A falta de uma garantia de que as empresas não enfrentariam processos de empregadas antigas era um dos motivos que poderia levar o projeto a ser vetado por Bolsonaro, segundo fontes.

Um novo episódio, nesta terça-feira (27), provocou atrito entre o governo e as senadoras. O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente da República, criticou a bancada por não haver mulheres da CPI da Covid, que investigará o governo federal.

– Em primeiro lugar, acho que as mulheres já foram mais respeitadas e mais indignadas. Estão fora da CPI, não fazem questão de estar nela e se conformam em acompanhar o trabalho a distância – afirmou Flávio.

A líder da bancada feminina, Simone Tebet (MDB-MS), classificou a fala como “infeliz” e “ironia desrespeitosa” e lembrou que as senadoras, mesmo sem integrar a comissão, estão acompanhando a CPI e vão participar da investigação.

– Jamais houve qualquer tipo de conformismo da bancada feminina com o que estamos vivendo. Nunca demos mãos para o conformismo e para o negacionismo – disse Tebet, durante sessão do plenário do Senado.

*Estadão

Leia também1 Pacheco nega pedido para adiar CPI para outubro
2 Rodrigo Maia diz que retorno de Lula "faz bem ao debate"
3 Cunha vira réu por esquema de propinas em combustíveis
4 Paulo Guedes demite secretário especial da Fazenda
5 CPI: Renan promete 'trabalho despolitizado' como relator

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.