Leia também:
X Dilma Rousseff tem mal-estar e é levada a hospital em POA

Renan cita nazismo na CPI e gera revolta de senadores

Senadores acusaram relator de paralelismo

Pleno.News - 25/05/2021 12h36 | atualizado em 25/05/2021 12h48

Senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid
Senador Renan Calheiros, relator da CPI da Covid Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O início dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado foi palco de uma nova briga entre o relator do colegiado, senador Renan Calheiros (MDB-AL), e a base governista que integra a comissão.

Nesta terça-feira (25), antes de iniciar a esteira de questionamentos à secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, Renan abriu sua fala comentando sobre o Julgamentos de Nuremberg, que julgou diversos líderes nazistas após o fim da Segunda Guerra mundial.

No entanto, antes de terminar sua fala, Renan foi interrompido por senadores governistas que viram na fala do relator um “paralelismo” com o genocídio dos judeus.

O coro de reclamações teve participação do senador Fernando Bezerra (MDB-PE), Marcos Rogério (DEM-RO), Luis Carlos Heinze (PP-RS) e do filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

– Isso é um absurdo. Comparando o que ocorreu aqui com o genocídio que ocorreu na Alemanha. Isso é mais que um pré-julgamento, é uma coisa odienta. Isso não existe; isso vai ficar registrado nos anais do Senado – disse o líder do governo na Casa, Fernando Bezerra.

Luis Heinze, inclusive, aumentou o tom contra o relator, dizendo que a responsabilidade pelas 450 mil mortes do Brasil é daqueles que “negam o tratamento” precoce.

Com o tumulto que a fala inicial de Renan Calheiros causou, o presidente do colegiado, senador Omar Aziz (PSD-AM), chamou a atenção do relator, dizendo que o que ele estava lendo ali não poderia ser usado como referência a ninguém ali.

Renan concordou com Aziz e concluiu sua fala afirmando que não se pode comparar o holocausto com a pandemia no Brasil, mas afirmou haver uma semelhança “assustadora” no comportamento de algumas autoridades que prestaram depoimento à comissão com as que foram julgadas em Nuremberg.

Renan falou principalmente sobre o Hermann Goering, ex-número dois do regime nazista, que, julgado, continuou “negando tudo, enaltecendo Hitler, apresentando-os como salvadores da pátria, enquanto a história provou que faziam parte de uma máquina da morte”, afirmou o relator antes de começar a fazer os questionamentos a Mayra. Renan também se retratou após os protestos dos senadores.

– Não podemos comparar (e, aqui, uma resposta ao senador Fernando Bezerra) uma barbárie como o holocausto e a tragédia da pandemia do Brasil, que até hoje já matou mais de 450 mil pessoas. Não podemos dizer, e por isso não há prejulgamento, que aqui ocorreu um genocídio. Não podemos dizer ainda. Mas podemos dizer que há uma semelhança assustadora, terrível, tenebrosa e perturbadora no comportamento de algumas autoridades que testemunharam aqui, na CPI – declarou o relator.

*Estadão

Leia também1 CPI: Mayra diz que não recebeu ordem para uso da cloroquina
2 CPI vota convocação de prefeitos e governadores nesta quarta
3 CGU estima prejuízo de R$ 160 milhões com desvios da Covid
4 'Cúpula' da CPI critica Pazuello por participar de ato no RJ
5 Omar Aziz: ‘Se Pazuello mentir de novo na CPI, sairá algemado’

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.