Leia também:
X Zambelli: ‘Passaporte sanitário é por controle da vida das pessoas’

Rejeição ao Congresso cresce e atinge 44%, aponta Datafolha

Apenas 13% dos entrevistados consideram o trabalho dos parlamentares bom ou ótimo

Thamirys Andrade - 23/09/2021 17h07 | atualizado em 23/09/2021 17h47

Congresso Nacional em 2018 Foto: Agência Senado/Jonas Pereira

O índice de rejeição ao Congresso Nacional cresceu entre os brasileiros, em comparação com julho deste ano. Segundo pesquisa do Datafolha divulgada nesta quinta-feira (23), 44% dos entrevistados consideram o desempenho dos parlamentares ruim ou péssimo. Em julho, o índice era de 38%.

A pesquisa, realizada em setembro deste ano, também indica que 40% dos entrevistados avaliam o desempenho dos congressistas como “regular”. Apenas 13% consideram que o trabalho dos parlamentares é bom ou ótimo, enquanto 3% não sabem responder.

O levantamento, publicado pelo jornal Folha de S. Paulo, ouviu 3.667 pessoas entre 13 e 15 de setembro, em 190 municípios de todo o país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

O maior índice de reprovação aos congressistas foi observado em dezembro de 2019, quando 45% dos entrevistados avaliaram negativamente seus representantes legislativos.

CONFIRA O RESULTADO:
Ruim/péssimo: 44% (eram 38% na pesquisa anterior, em julho)
Regular: 40% (eram 43% na pesquisa anterior, em julho)
Bom/ótimo: 13% (eram 14% na pesquisa anterior, em julho)
Não sabe: 3% (eram 5% na pesquisa anterior, em julho)

Leia também1 Alcolumbre deve 'segurar' mais a sabatina de Mendonça, diz site
2 Augusto Aras toma posse para mais dois anos à frente da PGR
3 Delegado fará delação premiada caso seja preso: "Sei tanta coisa"
4 Eduardo Cunha impediu que PT regulasse a mídia, diz Dilma
5 CPI convoca Hang e advogada de dossiê que cita fraude em óbito

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.