Leia também:
X Em ato falho, Renan diz que pode “produzir provas” na CPI. Vídeo!

Registros virtuais de invasão ao sistema do TSE foram perdidos

Informação consta no inquérito divulgado pelo presidente Jair Bolsonaro em suas redes sociais

Paulo Moura - 05/08/2021 10h44 | atualizado em 05/08/2021 11h04

Bolsonaro e o deputado Filipe Barros, em entrevista para a Jovem Pan Foto: Reprodução

Após o presidente Jair Bolsonaro divulgar publicamente, na noite de quarta-feira (4), o inquérito da Polícia Federal (PF) que apura invasões realizadas a sistemas digitais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018, diversos questionamentos sobre o assunto ganharam repercussão nas redes sociais. O principal deles aponta para o fato de que os registros digitais (logs) da época não existem mais.

A informação consta em um trecho do inquérito em que a Polícia Federal solicitava ao TSE informações sobre evidências que a Corte possuía a respeito da invasão hacker, realizada entre os meses de setembro e outubro de 2018, fato que ganhou grande repercussão na época por acontecer às vésperas do pleito presidencial.

À PF, o coordenador de Infraestrutura, da Secretaria de Tecnologia da Informação do TSE, Cristiano Andrade, disse que, “devido a manutenções para solucionar travamentos nos firewall (serviços de segurança de rede) do TSE”, uma empresa chamada Global IP realizou uma reinstalação do sistema de gerenciamento do serviço, porém “não tendo o devido cuidado de não prejudicar os logs”.

E-mail aponta que o TSE perdeu os logs da época das invasões Foto: Reprodução

Cristiano ainda informou que o volume de logs configurado pela empresa após a manutenção ficou “em apenas 80GB, sendo suficiente para apenas 2 dias, considerando-se o volume de acessos durante o período eleitoral”. Por conta disso, tal fato denotaria que os dados da época foram perdidos por terem sidos sobrescritos por dados mais novos, que é o que ocorre nesses sistemas.

Em entrevista à Jovem Pan, o presidente Jair Bolsonaro e o relator da proposta do voto impresso, deputado Filipe Barros (PSL-PR), apresentaram a cópia de relatórios enviados pelo TSE à Polícia Federal (PF). Na entrevista, o presidente e o parlamentar afirmaram que o hacker teve acesso ao “coração” da rede do TSE e poderia ter alterado o código-fonte de urnas eletrônicas.

Barros chegou a falar sobre o TSE não ter registros do histórico das atividades do hacker na rede da Corte e chegou a dizer que “o próprio TSE apagou os arquivos por onde andou o hacker”.

Em nota, o TSE alegou que o acesso indevido não representou riscos à integridade da eleição, já que o código-fonte dos programas utilizados passaram por “sucessivas verificações”.

Leia também1 Henkel desmente Tabata Amaral sobre voto impresso auditável
2 Ação da PF prende 3 suspeitos de fraudar o auxílio emergencial
3 PF investiga se CPI vazou dados sigilosos. Randolfe irá ao STF
4 Doria diz que não há necessidade de terceira dose da CoronaVac
5 Pedro Barros leva prata no skate, e Brasil iguala recorde de pódios

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.