Leia também:
X 3º suspeito revela que dupla “queria matar pelo menos 50”

Raquel Dodge condena tiroteio em escola pública de Suzano

Para a PGR, sociedade não pode deixar que "se sedimentem em solo nacional, práticas como essa"

Henrique Gimenes - 15/03/2019 16h05 | atualizado em 15/03/2019 17h44

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge Foto: Agência Brasil/Marcelo Camargo

Nesta sexta-feira (15), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, condenou o tiroteio ocorrido dentro de uma escola pública em Suzano, São Paulo. Ela afirmou que a sociedade brasileira não pode deixar que práticas como essa “se sedimentem” no país.

Na quarta-feira (13), dois ex-alunos da Escola Estadual Professor Raul Brasil entraram no local e mataram sete pessoas. Cinco delas eram alunos e outras duas eram funcionárias da escola. Durante um seminário no Ministério da Justiça, Dodge disse que é preciso estabelecer um “ambiente de fraternidade na escola”.

– Um assunto dessa natureza deve mobilizar a todos, deve contar com a intolerância de todos nós, para o estabelecimento de um ambiente de diálogo, um ambiente de fraternidade na escola, na sociedade brasileira, que tem distinguido nossa cultura ao longo de tantos anos. Não podemos deixar que se sedimentem em solo nacional, práticas como essa – explicou.

A procuradora-geral da República também prestou solidariedade às famílias das vítimas e disse que é preciso que as crianças possam ir à escola com segurança.

– Por isso, é preciso que, a cada oportunidade, nós repudiemos essa prática juntos, unidos, para que nossas crianças possam ir para a escola seguros, confiantes de que não serão afetadas por nenhum ato de violência dentro da sala de aula

O evento também teve a presença do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Leia também1 3º suspeito revela que dupla "queria matar pelo menos 50"
2 Professor invade Secretaria de Educação armado com faca

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.