Leia também:
X Ator José Dumont vira réu por armazenar pornografia infantil

PT escala Marina e Alckmin na busca pelo voto evangélico

Campanha de Lula quer intensificar busca pelo segmento que demonstra forte apoio a Bolsonaro

Thamirys Andrade - 24/09/2022 13h52 | atualizado em 26/09/2022 14h31

Marina Silva e Geraldo Alckmin Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil | Ricardo Stuckert/PT

A menos de dez dias das eleições, a campanha do candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) vai intensificar o movimento em busca do voto evangélico, segmento no qual o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem ampla vantagem.

A ex-ministra Marina Silva (Rede), que declarou apoio público ao petista, e o candidato a vice Geraldo Alckmin (PSB) serão escalados para atrair esses eleitores religiosos.

Marina é evangélica e é identificada como alguém com grande respeitabilidade entre o segmento. Alckmin é católico praticante, mas também foi designado para atrair esses eleitores.

A campanha está traçando possíveis programações para os dois nos próximos dias, de acordo com o pastor presbiteriano Luís Sabanay, que coordena o núcleo de evangélicos da sigla.

COMITÊ EVANGÉLICO
A campanha instituiu um Comitê Evangélico para dar organicidade às ações em busca dos eleitores do segmento. O núcleo organizou uma agenda de atividades diárias para dialogar diretamente com esse público e que terá continuidade nessa reta final.

Batalhas nas redes sociais com postagens que abordam temas do cotidiano imediato da eleição, massificação de material nas redes em horários de picos e panfletagens com mensagens aos religiosos em todo o Brasil serão intensificadas. O cronograma vai até primeiro de outubro, um dia antes das eleições.

Com foco nos colégios eleitorais mais representativos do país, São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro serão prioridades também do Comitê.

Na próxima terça-feira (27), o fundador e coordenador nacional da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, Ariovaldo Ramos, que participa da comunicação da campanha junto aos religiosos, se reunirá em Minas com o candidato ao governo apoiado pelo PT, Alexandre Kalil (PSD), em um encontro com evangélicos.

– Nós pedimos para cada coordenação estadual fazer com que a campanha de Lula e Alckmin seja visível. E como se dá isso? Através de testemunho. Qual a diferença da nossa campanha e da campanha do Bolsonaro? Não instrumentalizamos religião – disse Sabanay.

PESQUISA
De acordo com a pesquisa Datafolha divulgada na última quinta-feira (22), o chefe do Executivo lidera entre os evangélicos com 50%, enquanto Lula aparece com 32%. A diferença reduziu: no dia 9 de setembro, o placar era de 51% a 28%, respectivamente. A melhora é atribuída às ações promovidas neste último mês.

O objetivo da campanha não é, no entanto, reverter os índices, mas reduzir a distância. O foco na busca pelos votos continua sendo, essencialmente, a mulher evangélica, maior parte negra e periférica.

Esse perfil cuida do lar e da família, que rejeita a pauta armamentista por preservar a segurança dos filhos e temer a violência dentro de casa e que sente diariamente as consequências da crise econômica – temas que contrastam, justamente, com o perfil do principal adversário na corrida presidencial.

*AE

Leia também1 EUA: Governo diz a Lula que vai reconhecer resultado da eleição
2 TSE proíbe filtro "Prefiro Lula" após Ciro apontar plágio
3 Weintraub diz que votará nulo: “Bolsonarismo é uma doença”
4 Mendonça libera matérias sobre imóveis da família Bolsonaro
5 Barroso devolve mandato a petista que invadiu igreja no PR

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.