Leia também:
X Vereador quer proibir banheiros unissex e multigêneros em MG

PSOL também irá ao STF para questionar portaria do MEC

Ministério da Educação proibiu a exigência do passaporte da vacina em universidades e instituições federais de ensino

Henrique Gimenes - 30/12/2021 18h05 | atualizado em 31/12/2021 12h15

PSOL também irá ao STF contra o MEC Foto: Divulgação

Mais opositores ao governo do presidente Jair Bolsonaro pretendem acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) após o Ministério da Educação (MEC) proibir a exigência de comprovante de vacinação contra a Covid-19 em universidades e instituições federais de ensino. Desta vez é o PSOL que pretende acionar a Justiça, de acordo com o presidente nacional da sigla, Juliano Medeiros.

– O PSOL vai entrar com uma ação no STF questionando a portaria do MEC que proíbe as universidades de cobrarem comprovante de vacina na volta das aulas presenciais em 2022. A portaria afronta a autonomia universitária e a saúde pública. É totalmente inconstitucional! – explicou.

O ministro da Educação Milton Ribeiro publicou um despacho nesta quarta-feira (29), declarando que a exigência do passaporte da vacina só pode ser estabelecido através de lei federal.

– No caso das universidades e dos institutos federais, por se tratar de entidades integrantes da Administração Pública Federal, a exigência somente pode ser estabelecida mediante lei federal, tendo em vista se tratar de questão atinente ao funcionamento e à organização administrativa de tais instituições, de competência legislativa da União – diz o despacho.

 

Leia também1 Randolfe recorrerá ao STF para questionar o MEC
2 STF julgará se preso por tráfico poderá ocupar cargo público
3 Em vídeo, Gleisi mente sobre suposta "inocência" de Lula
4 Fux ordena prisão de argentino acusado de estuprar o filho
5 Deputado envia queixa-crime ao STF contra Omar Aziz

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.