Leia também:
X “Nos preocupam eventos na Bolívia, com autoridades presas”

Prisão do deputado Daniel Silveira completa um mês

Parlamentar está em detenção domiciliar, monitorado por tornozeleira eletrônica

Thamirys Andrade - 16/03/2021 12h19 | atualizado em 16/03/2021 12h37

Daniel Silveira foi preso após decisão do ministro Alexandre de Moraes
Daniel Silveira foi preso após decisão do ministro Alexandre de Moraes Foto: Câmara dos Deputados/Cleia Viana

A prisão do deputado Daniel Silveira completa um mês nesta terça-feira (16), dois dias após ele ser transferido para a detenção domiciliar. Em fevereiro, o parlamentar foi conduzido pela Polícia Federal sob mandado do ministro do STF Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito que apura ameaças, ofensas e fake news disparadas contra magistrados da Corte.

Também por decisão de Moraes, Silveira deixou o Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar do Rio de Janeiro neste domingo (16) e, agora, segue monitorado por tornozeleira eletrônica, podendo voltar a participar das sessões da Câmara à distância.

A Casa Legislativa que manteve a prisão do deputado por 364 votos a favor, 130 contra e três abstenções segue com dois processos no Conselho de Ética que poderá culminar na cassação do mandato de Silveira.

A defesa do deputado afirma que vai recorrer da decisão de prisão domiciliar. Seu advogado, Jean Cleber Garcia, diz que a manutenção da detenção, mesmo que na modalidade domiciliar, provoca “constrangimento ilegal” e será objeto de pedido de reforma pelo Pleno da Corte Superior.

Leia também1 Silveira deixa presídio e segue para cumprir prisão domiciliar
2 Defesa de Silveira repudia prisão domiciliar e diz que vai recorrer
3 Ética da Câmara segue com ação pela cassação de Silveira
4 Coppolla cria abaixo-assinado por impeachment de Moraes
5 Aras pede expulsão de Gentili do Twitter e distância da Câmara

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.