Leia também:
X PF mira esquema de falsificação de documentos do Exército

Presidente da Frente Evangélica diz que foco é ampliar bancada

Novo presidente da bancada afirmou que os evangélicos são sub-representados com a quantidade atual de parlamentares

Paulo Moura - 10/02/2022 08h49 | atualizado em 10/02/2022 09h24

Deputado Sóstenes Cavalcante Foto: Câmara dos Deputados/Will Shutter

Novo presidente da Frente Parlamentar Evangélica, o deputado federal Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) assumiu nesta quarta-feira (9) o comando da bancada. Em uma entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo, o parlamentar afirmou que a prioridade é ampliar a bancada já que, segundo ele, os evangélicos são sub-representados atualmente.

– [A prioridade será] focar na eleição para ampliar a bancada com o máximo de colegas. Somos sub-representados. Somos 30% da população brasileira e não somos 30% dos deputados, muito menos dos senadores – ressaltou.

Questionado sobre qual será o posicionamento da bancada evangélica na eleição presidencial deste ano, Sóstenes disse acreditar em um apoio de cerca de 90% dos parlamentares ao presidente Jair Bolsonaro e que, em poucos casos, como os das deputadas do PT, Benedita da Silva e Rejane Dias, o apoio será dado a outros concorrentes do pleito.

– Não posso dizer se vai haver racha antes de consultar meus pares. Mas sinto que 90% dos deputados da frente evangélica querem apoiar a reeleição do presidente Bolsonaro. Temos duas deputadas do PT, Benedita da Silva (RJ) e Rejane Dias (PI). Elas têm todo nosso carinho e lógico que elas vão apoiar o candidato do partido delas. Fora elas, desconheço quem queira apoiar outro candidato – ressaltou.

Por fim, perguntado se os evangélicos teriam ficado sensibilizados com a Carta de Princípios para Cristãos, emitida pelo pré-candidato do Podemos Sergio Moro, o deputado respondeu que o ex-juiz foi “mal orientado” e que “precisa melhorar a assessoria” se quiser uma aproximação dos evangélicos.

– Se é para fazer um documento aliviando o conservadorismo, é melhor não fazer. Ele foi bem em vários pontos, mas deu uma derrapada. Quando acendeu uma vela dizendo que “apoia a família tradicional”, não precisava colocar “mas respeita opções sexuais”. O complemento daquele parágrafo comprometeu tudo. Por causa desse parágrafo, ele continuou enfraquecido – completou.

Leia também1 PF mira esquema de falsificação de documentos do Exército
2 Bolsonaro repudia o nazismo e pede combate ao comunismo
3 Advogado é filmado sem calça em sessão remota do STJ
4 Neymar é vítima de golpe e tem R$ 200 mil desviados de conta
5 NY revoga exigência de máscara em locais fechados

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.