Leia também:
X Simone Tebet cita Moro e Doria: “Estamos perto de um consenso”

Presidente Bolsonaro diz que a fé o elegeu e o mantém no governo

Chefe do Executivo está cumprindo agenda no Rio de Janeiro

Pleno.News - 04/04/2022 12h29 | atualizado em 04/04/2022 13h01

Presidente Jair Bolsonaro Foto: EFE/ Joédson Alves

Acompanhado de ministros, ex-ministros e do escolhido para ser seu vice nas eleições de outubro, general Walter Braga Netto, o presidente Jair Bolsonaro está no Rio de Janeiro cumprindo agenda nesta segunda-feira (4). Pela manhã, Bolsonaro esteve no Cristo Redentor, de onde saiu para almoçar com um grupo de empresários. À tarde, ele ainda acompanha um evento na Marina da Glória antes de retornar à Brasília.

O presidente participou de duas cerimônias no Morro do Corcovado. Primeiro, ele acompanhou uma missa comandada pelo arcebispo do Rio, dom Orani Tempesta, em homenagem ao centenário de lançamento da pedra fundamental do Cristo Redentor. Depois, assinou um protocolo de intenções entre a Arquidiocese do Rio e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)

Ao fim da cerimônia, Jair Bolsonaro fez um discurso de pouco mais de um minuto e meio.

– Um protocolo, mas de grande simbolismo, de respeito a este Santuário e aos católicos de todo o Brasil. Um governo que acredita em Deus, defende a família e deve lealdade ao seu povo. Com toda certeza é a fé que nos salvou no passado, nos elegeu e nos manteve vivo no governo até os dias de hoje.

O Santuário Cristo Redentor fica em meio ao Parque Nacional da Tijuca, área administrada pelo governo federal. Ao longo dos anos, a convivência entre os responsáveis pelo monumento e pela floresta nem sempre foi harmônica. O protocolo assinado nesta segunda visa pacificar a convivência entre os dois lados.

No mesmo evento, o governo federal assinou, junto à prefeitura do Rio, acordos de regularização fundiária do Complexo da Maré e da comunidade Parque Alegria.

Sobre isso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a regularização de moradias no complexo de favelas da Zona Norte se dá porque o governo Bolsonaro é de “transferência de riqueza”.

– O governo brasileiro é trilionário. Um trilhão em ativos imobiliários, um trilhão em ativos de empresas estatais, mais de dois trilhões em recebíveis. Por que ficar apenas na transferência de renda? Por que não reduzir mais aceleradamente os graus de desigualdade no país transferindo propriedade?

Após as cerimônias no Cristo Redentor, o presidente participa de almoço organizado pelo Grupo Voto e, antes de voltar a Brasília, ainda visita o Rio Boat Show, na Marina da Glória.

*AE

Leia também1 Simone Tebet cita Moro e Doria: "Estamos perto de um consenso"
2 Articulações de Zé Dirceu estão "irritando" Gleisi Hoffmann
3 Frota faz denúncia no MP contra ex-ministro Tarcísio de Freitas
4 Gastos de Lula com marqueteiro podem atingir R$ 45 milhões
5 PT oficializa apoio à candidatura de Freixo para governador do RJ

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.