Leia também:
X Tabata Amaral acusa esquerda de ‘conivência’ com Zé de Abreu

Rio: PL quer proibir linguagem neutra em obras infantis

Deputada Alana Passos criticou a ideologia de gênero

Pierre Borges - 23/09/2021 16h52 | atualizado em 14/10/2021 12h04

deputada Alana Passos
Deputada Alana Passos Foto: Alerj/Thiago Lontra

A deputada estadual Alana Passos (PSL) apresentou um Projeto de Lei (PL) na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) proibindo a utilização de linguagem neutra em todas as produções e veiculações audiovisuais infantis, bem como em peças teatrais para crianças em todo o estado do Rio de Janeiro.

O PL 4899/2021, publicado no Diário Oficial desta quinta-feira (23), também veta o uso irregular da língua portuguesa em filmes, propagandas, séries e qualquer vídeo para o público infantil que seja veiculado em TV, internet e streaming, como Netflix, Amazon Prime e HBO.

– “Todes” não existe. Não podemos permitir que essa aberração e distorção da língua portuguesa culta atinja nossos filhos. É uma forma de ensinar ideologia de gênero às nossas crianças – aponta Alana.

Pela proposta, as empresas ou responsáveis por páginas de internet que descumprirem a medida podem sofrer multa de cinco mil Unidades Fiscais de Referência (Ufir), o equivalente a cerca de R$ 18.500 por veiculação irregular.

– Estão tirando dos pais o direito de proteger a inocência de seus filhos e o correto aprendizado da nossa língua. Este projeto é uma forma de punirmos quem tenta levar sua ideologia, de forma forçada, ao que chega à nossa casa e às nossas crianças – critica a deputada.

Leia também1 Tabata Amaral acusa esquerda de 'conivência' com Zé de Abreu
2 Calheiros chama Jair Renan Bolsonaro de “fedelho imberbe”
3 Por "propósito de Deus", juíza abre mão de salário de R$ 57 mil
4 Câmara 'barra' projeto de Carlos B. contra trans no esporte
5 Urach revela internação e culpa Universal: 'Me sinto roubada'

Siga-nos nas nossas redes!
WhatsApp
Entre e receba as notícias do dia
Entrar no Grupo
Telegram Entre e receba as notícias do dia Entrar no Grupo
O autor da mensagem, e não o Pleno.News, é o responsável pelo comentário.